Política | The Intercept

Vazamentos dividem deputados na Assembleia do Maranhão

diálogos entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, ex-juiz federal Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, foram analisados por parlamentares
Gilberto Léda/Da Editoria de Política11/06/2019

O vazamento de diálogos entre o ministro da Justiça e Segurança Pública, ex-juiz federal Sergio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, dividiu deputados ouvidos por O Estado na Assembleia Legislativa.
Em discurso durante o expediente final da sessão de ontem, o petista Zé Inácio Lula – o nome do ex-presidente foi incluído na identificação oficial a pedido do parlamentar – defendeu que as revelações do site The Intercept confirmam a tese de que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi perseguido pelo Judiciário para não ser candidato em 2018.
“O diálogo que veio a público entre Sérgio Moro e o procurador Dallagnol demonstra que muita coisa do que eu dizia aqui era verdadeiro, era correto, e que, de fato, o presidente Lula foi perseguido politicamente via Poder Judiciário, para condená-lo, depois condená-lo novamente em segunda instância e impedi-lo de participar do processo eleitoral. E aí não ser candidato nas últimas eleições de 2018”, declarou.
O presidente da Casa, deputado Othelino Neto (PCdoB), não tem visão tão extremista. Na visão dele, há excessos demonstrados nos áudios já vazados – principalmente no que diz respeito à relação, entre acusador e julgador -, mas “é preciso que se apure bem” a denúncia.
“Esse diálogo que vazou, com essa parte do conteúdo que já foi divulgada, é no mínimo constrangedor e, de fato, fragiliza alguns processos envolvidos nesses diálogos, tendo em vista que é clara a vedação de o juiz ser ao mesmo tempo julgador e acusador. É preciso que se apure bem, mas, à primeira vista, a impressão é de que se cria um grande mal-estar, colocando em xeque relativo ao presidente Lula e outros citados e pode criar embaraços para os projetos futuros do hoje ministro Sergio Moro”, destacou.
Ex-presidente da Assembleia, o deputado Arnaldo Melo (MDB) deu destaque ao que considerou “ilegalidade” do ataque hacker que atingiu procuradores da Lava Jato e o ministro da Justiça. Segundo ele, há que avaliar o que foi divulgado na íntegra e o que pode ter sido descontextualizado.
“As coisas, quando entram por esse caminho da ilegalidade, das gravações clandestinas, tudo isso, a gente não sabe o que foi realmente contextualizado numa conversa e o que foi extraído do contexto daquela conversa”, pontou.
Ele ponderou que procuradores e juízes não devem ter contato sobre processos que não ocorram nos autos, mas acrescentou que, do material já vazado, não viu nada de errado no contato entre Moro e Dallagnol.
“A gente compreende que não pode o Ministério Público fazer esse tipo de referência com os julgadores. Isso é algo que a gente não aceita. Porém, nesse caso específico, pelo que eu li dos textos, não vejo nada que possa comprometer a decisão do à época juiz Sergio Moro nesse julgamento”, completou.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte