O Mundo | Punição

Coreia do Norte executa responsável por reunião com EUA sobre programa nuclear, diz jornal

Segundo publicação sul-coreana, Kim Hyok-chol foi morto devido a fracasso de encontro entre Kim Jong-un e Trump. Governo norte-americano diz tentar checar informações sobre morte
02/06/2019 às 07h00
Coreia do Norte executa responsável por  reunião com EUA sobre programa nuclear, diz jornalO presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-um, participam de reunião em Hanói, no Vietnã (Reuters)

PYONGYANG - O jornal sul-coreano “Chosun” informou que o regime da Coreia do Norte executou o diplomata norte-coreano encarregado das negociações para a segunda cúpula do país asiático com os Estados Unidos e ex-embaixador na Espanha, Kim Hyok-chol.

A execução ocorreu, segundo o jornal, após Kim Hyok-chol ser responsabilizado pelo fracasso da reunião de fevereiro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente norte-americano, Donald Trump, em Hanói, no Vietnã. O encontro serviu para discutir o programa nuclear da península coreana, mas terminou antes do previsto e sem um acordo.

A reportagem informa que Kim Hyok-chol foi baleado, em março, um mês após a cúpula, no Aeroporto de Mirim, controlado pela Força Aérea da Coreia do Norte. Ele teria sido atingido junto com mais quatro norte-coreanos de altos cargos no regime acusados de espionagem para os Estados Unidos.

De acordo com o jornal, as informações são de fontes de Pyongyang, capital da Coreia do Norte, que não quiseram se identificar. A publicação informou, ainda, que o regime do ditador Kim Jong-un também puniu outra figura importante no diálogo entre Coreia do Norte e EUA, Kim Yong-chol. Ele teria sido enviado a um campo de trabalhos forçados e reeducação ideológica.

Os meios oficiais do regime de Pyongyang não fizeram qualquer alusão recente a Kim Hyok-chol ou a Kim Yong-chol. No entanto, o jornal "Rodong Sinmun", publicação oficial do Partido dos Trabalhadores do regime, publicou um artigo em que mencionava "traidores que não poderão evitar o severo julgamento da revolução".

Sem citar nomes, o jornal informou que certas pessoas "agiam de uma forma e reverenciavam o Líder na sua presença e sonhavam com outra coisa pelas costas".

O escritório da presidência sul-coreana não quis comentar o caso. Em entrevista coletiva, o porta-voz do governo da Coreia do Sul, Ko Min-jung, disse que "seria inadequado tirar conclusões precipitadas sobre informações que ainda estão por serem confirmadas".

EUA diz checar informações

O secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que os Estados Unidos estão tentando confirmar as informações sobre a suposta execução. “Nós vimos o relatório sobre o qual você se refere”, respondeu a pergunta feita em entrevista coletiva em Berlim, na sexta-feira, 31. “Estamos fazendo o nosso melhor para checar. Eu não tenho nada mais a acrescentar sobre isso hoje”, completou Pompeo.

Responsável por reunião

Kim Hyok-chol liderou a primeira delegação da Coreia do Norte em Madri, na Espanha, entre janeiro de 2014 até 2017, quando o governo espanhol o expulsou em resposta aos testes nucleares e de mísseis de Pyongyang. O ex-enviado especial do regime não apareceu em outros atos oficiais desde a reunião de Hanói, segundo a agência EFE.

De acordo com as fontes do jornal sul-coreano, Kim Jong-un também puniu outros funcionários do regime envolvidos nas negociações com os EUA. O líder norte-coreano teria, inclusive, afastado a irmã dele, Kim Yo-jong, das funções que ela exerce no regime. A mulher foi estreita colaboradora dos encontros com Trump e com outros líderes estrangeiros.


Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte