Estado Maior | COLUNA

Já atacando

01/06/2019

O lançamento precoce de uma pretensão de candidatura ao Palácio do Planalto tem seus frutos bons, que poderão ser colhidos e alimentar o sonho de disputar a Presidência da República. Mas pode ser também uma complicação junto a aliados que acreditam ser a bola da vez para disputar a eleição presidencial.
E foi isto que o ex-governador do Ceará e pretenso (mais uma vez) candidato a presidente da República, Ciro Gomes (PDT), mostrou em relação ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que visitará o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima semana.
Sem cerimônia, como de praxe, Ciro Gomes cobrou fidelidade do PCdoB no Maranhão ao PDT, destacando a postura do Partido dos Trabalhadores nas eleições de 2014.
“Um pouco de história: em 2014, Flávio Dino apresentou sua candidatura a governador do Maranhão pela primeira vez. Nós, do PDT, não vacilamos! Apoiamos Flávio Dino na primeira hora. “E o PT?”, escreveu o pedetista.
É Ciro Gomes mostrando que as “ameaças da esquerda” para sua candidatura em 2022 enfrentarão resistência cedo.
A postura do pedetista, claro, não deixará de ter consequências no Maranhão, já que, até o momento, o PDT é um dos maiores aliados do governador Flávio Dino não somente neste governo, mas com compromissos que passam por 2020 – em São Luís, principalmente – e 2022.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte