Política | Alcântara

Bolsonaro envia acordo Brasil-EUA para apreciação do Congresso

A proposta de acerto entre os dois países precisa de aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado.
Gilberto Léda24/05/2019 às 16h17
Bolsonaro envia acordo Brasil-EUA para apreciação do CongressoDivulgação

SÃO LUÍS - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) encaminhou ao Congresso Nacional mensagem governamental com cópia do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) assinado entre o Brasil e os Estados Unidos para o lançamento de foguetes e satélites americanos a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

A proposta de acerto entre os dois países precisa de aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado.

Em recente entrevista à Rádio Bandeirantes, o presidente afirmou que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), apoia o acordo. Segundo Bolsonaro, numa reunião governadores de todo o país, o comunista “falou bem” do acordo Brasil/EUA.

“Esse acordo assinado com os Estados Unidos foi excelente, até o próprio governador do Maranhão, que é do PCdoB, esteve comigo na semana passada, e falou bem desse acordo com os americanos”, declarou.

Já o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, pediu, durante um jantar em São Luís, no mês de abril, apoio da bancada maranhense à aprovação do documento.

Segundo ele, o acordo não trata de aluguel da base aos americanos e haverá “uma mensagem muito ruim para o resto do país” se a própria bancada do Maranhão não apoiar a proposta.

O ministro destacou, ainda, que CLA pode até ser extinto se continuar sem utilização para produção científica e atividades aeroespaciais. A última operação no local, lembrou ele, ocorreu em 2014, quando foi lançado um foguete de treinamento.

“Os Estados Unidos têm uma capacidade tecnológica tão grande – e por isso que a gente fez com eles primeiro esse acordo – que faz com que eles tenham tecnologias de empresas americanas colocadas em 80% dos satélites e foguetes do planeta”, declarou.

Ainda de acordo com Pontes, pelo acordo o Brasil apenas compromete-se a proteger essa tecnologia, em troca da permissão de lançar esse foguetes e satélites de Alcântara.

“Então, o acordo é simplesmente que os Estados Unidos permitem que o Brasil lance quaisquer foguetes e satélites de quaisquer países do planeta que tenham qualquer componente americano embarcado. Em troca, nós protegemos a tecnologia americana. Isso cumpre 80% do mercado. A gente vai atrás dos outros 20% pra aumentar nosso portfólio”, declarou, adiantando que já manteve conversas com os japoneses.

Marcos Pontes acrescentou que, com a aprovação do AST, o Brasil entra num mercado que atualmente movimenta US$ 350 bilhões – com estimativa de crescimento a US$ 1 trilhão até 2040.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte