Alternativo | Para crianças

Funarte publica obra do teatrólogo piauiense Benjamim Santos

Grande inovador do teatro para crianças no Brasil, seu livro reúne duas peças inéditas, comentário de Bia Bedran e textos críticos de Ana Maria Machado
19/05/2019 às 07h00
Funarte publica obra do teatrólogo piauiense Benjamim SantosLivro "Teatro Infantil" reúne as 11 peças infantis escritas por Benjamim Santos (Divulgação)

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) reuniu no livro "Teatro Infantil" as 11 peças infantis escritas por Benjamim Santos, um dos principais dramaturgos de uma geração que renovou o teatro para crianças no Brasil e um dos maiores vencedores de prêmios concedidos pelo antigo Serviço Nacional de Teatro (SNT), pela Fundação Teatro Guaíra; e pela Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro; além do Troféu Mambembe – Melhor Autor do Ano, da Funarte, em 1977 e 1979. A obra do autor, "Teatro Infantil" será lançada nesta terça-feira, 21, em Parnaíba (PI).

Até 1970, com exceção do trabalho de Maria Clara Machado e de algumas boas produções profissionais, o teatro para crianças não era levado muito a sério no Brasil. As montagens visavam sobretudo ao lucro dos produtores; e serviam de mero passatempo para crianças e suas babás. No início dos anos 1970, porém, com o aparecimento de vários incentivos dos órgãos públicos (concursos nacionais de dramaturgia; realização de festivais com prêmios em dinheiro; e projetos municipais de teatro nas escolas), o teatro infantil no Rio de Janeiro começou a mudar. Apareceram novos autores, realmente dedicados a escrever para crianças. Também surgiram grupos formados por produtores, atores e músicos.

Criou-se então um repertório que respeitava a inteligência do público mirim. Isso começou a atrair também a atenção dos pais, que passaram a ir ao teatro com seus filhos. Entre os autores que participaram dessa virada – como a carioca Sylvia Orthof e o argentino Ilo Krugli – Benjamim Santos destacou-se como um dos maiores vencedores de prêmios concedidos pelo antigo Serviço Nacional de Teatro (SNT), pela Fundação Teatro Guaíra; e pela Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro; além do Troféu Mambembe – Melhor Autor do Ano, da Funarte, em 1977 e 1979.

Segundo Benjamim Santos, em nenhum momento se confundiu fazer teatro infantil com desvalorizar essa forma de produção artística. “Não tinha apelação. Não se chamava as crianças para subir ao palco numa tentativa simplista de interação de atores e público. Não era exigida da criança uma participação forçada, mas esta deveria acontecer de forma livre, espontânea.”, explica o autor.

Em sua obra para crianças, agora publicada, palavra, ação e poesia estão intimamente conectadas. O dramaturgo adaptou obras de autores clássicos, como Shakespeare e Alexandre Dumas, mas também romances da literatura nordestina de cordel e peças com roteiro original.

O livro "Teatro Infantil" tem orelha escrita pela compositora e educadora Bia Bedran, que trabalhou com o amigo “Benja” desde o início da carreira. Bia compôs a trilha que animava as aventuras vividas por personagens criados por ele, no programa infantil "Por que sim, por que não", da TVE, no Rio de Janeiro. “Musicar aquelas lindezas poéticas foi um batismo mais do que especial”, destaca a artista.

O prefácio é assinado por Weslley Fontenele, professor de teatro e mestre em artes cênicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). “É no teatro para crianças que Benjamim Santos reconhece ter realizado seu trabalho artístico mais profundo”, afirma Weslley, que também foi curador de uma mostra sobre a obra do autor, realizada no Teatro Municipal de Niterói (RJ).

Como apresentação das peças, o leitor encontra trechos de críticas publicadas no Jornal do Brasil, pela escritora Ana Maria Machado, grande entusiasta da obra de Benjamim. Um encarte de fotos dos espetáculos completa o volume editado pela Funarte.

Com edições esgotadas há décadas, grande parte desta obra não se encontrava mais nas livrarias. Com isso, tornava-se difícil a tarefa de pesquisadores e produtores teatrais interessados na dramaturgia de Benjamim Santos. Agora, com esta publicação, a Funarte proporciona amplo acesso à obra do autor; e contribui para a renovação de seu público, por meio de possíveis produções de novas montagens.

Sobre o autor

Benjamim Santos nasceu na cidade de Parnaíba, no Piauí. Na década de 1960, mudou-se para Recife, onde estudou na Faculdade Direito, e Filosofia, o Seminário de Olinda. De volta ao Recife, fundou o Grupo Construção, trabalhou no Teatro Popular do Nordeste, grupo dirigido pelo encenador Hermilo Borba Filho, e fundou o Teatro de Arribação, que levava espetáculos aos engenhos de cana-de-açúcar. Durante cinco anos manteve uma coluna de teatro no Jornal do Commercio, no Recife (PE).

A partir dos anos 1970, residindo no Rio de Janeiro, além do teatro infantil, destacou-se como autor de grandes espetáculos ao ar livre, como Paixão de Cristo, nos Arcos da Lapa, e sobretudo como diretor de shows de música popular, tendo dirigido Quarteto em Cy, Nara Leão, Kleiton e Kledir, Ângela Maria, MPB-4, Marlene e muitos outros. Atualmente, Benjamim Santos vive em Parnaíba e continua sua carreira de escritor.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte