Cidades | Saúde

19,9% dos maranhenses tomaram a dose de vacina contra a gripe

Número representa 100% do público-alvo desta fase da campanha; demais brasileiros poderão tomar a vacina a partir de junho; expectativa é vacinar 59,5 milhões de pessoas até o final da campanha
Emmanuel Menezes / O Estado03/05/2019
19,9% dos maranhenses tomaram a dose de vacina contra a gripeImunização de crianças está em segundo lugar no ranking de vacinação contra gripe (Paulo Soares / O Estado)

A campanha de mobilização para vacinação contra a gripe segue a todo vapor em São Luís. Apenas no Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos, mais de 3 mil pessoas já foram vacinadas. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 323 mil pessoas já foram imunizadas no Maranhão, totalizando 19,9% do público-alvo na campanha.

Até o dia 30 de abril, em todo o Brasil, 12,2 milhões de pessoas foram vacinadas. Isso representa 21% do público prioritário na campanha. Agora, a preparação é para o conhecido Dia D, que será realizado neste sábado (4), quando os postos ficarão abertos em todo o país.

“Até o momento, nosso maior público foram os idosos. Em segundo lugar no ranking de vacinação, aqui no posto, tivemos as crianças. Apesar do bom movimento, temos a noção de que o trabalho deve continuar”, diz Rita Carneiro, coordenadora de enfermagem do Paulo Ramos.

Sabendo da importância da prevenção, a dona de casa Maria Firmina contou que em todas as campanhas em que há um foco na saúde do idoso ela se esforça para fazer sua parte. “Eu sei que a idade já chegou para mim. Então, é minha obrigação cuidar da saúde, já que não estou mais tão ‘durinha’ como antes”, diz, bem-humorada.

A coordenadora Rita Carneiro explica que o trabalho com foco no público prioritário deve seguir, pois a meta ainda está distante. “Vamos nos basear em nível Brasil. 21% já está vacinado, e isso é um bom número. Mas temos até o dia 31 de maio para chegar a, no mínimo, 90% desse público”, explica.

A expectativa do Ministério da Saúde é vacinar 59,5 milhões de pessoas até o final da campanha contra a gripe. Dessas, 46,9 milhões são idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de seis anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto).

Público
O público com maior cobertura contra a gripe, até o momento, é de puérperas, com 38,8%, seguido pelas gestantes (33,4%); indígenas (27,6%); crianças (26,4%); idosos (21,5%); trabalhadores de saúde (17,1%) e professores (14,2%).
Para a realização da campanha, estão em funcionamento 41,8 mil postos de vacinação, com o envolvimento de 196,5 mil pessoas e a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A vacina
A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas das três cepas que compõem a vacina, e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da OMS: A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09; A/Switzerland/8060/2017 (H3N2); B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87). A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença.

Casos de gripe no Brasil
Neste ano, até 20 de abril, foram registrados 427 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza em todo o país, com 81 óbitos. Até o momento, o subtipo predominante no país é o vírus influenza A(H1N1)pdm09, com registro de 213 casos e 55 óbitos.

Todos os estados estão abastecidos com o fosfato de oseltamivir e devem disponibilizá-lo de forma estratégica em suas unidades de saúde. Para o atendimento do ano de 2019, o Ministério da Saúde já enviou aproximadamente 9,5 milhões de unidades do medicamento aos estados. O tratamento deve ser realizado, preferencialmente, nas primeiras 48h após o início dos sintomas.

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe teve início no dia 10 de abril em todo o país. No primeiro momento, foram priorizadas as crianças e gestantes. A vacinação está aberta para todos os públicos desde o dia 22 de abril.

Meta do SUS
No ano passado, o grupo prioritário não atingiu a meta de 90% de cobertura. Segundo o Ministério da Saúde, a meta este ano permanece 90% de cada um dos grupos prioritários e a escolha dos grupos que receberão a vacina segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é baseada em estudos epidemiológicos e no comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte