Emprendendo com Moacir Sidor

Empreendendo com Moacir Sidor

Empreendendo com Moacir Sidor

Moacir Sidor

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h25

Por que empresas quebram?

Essa é uma pergunta constante, que me é formulada por empresários. Talvez por esse medo ser constante na vida de todos que empreendem, principalmente em épocas de crise, já que empreender é uma atividade de alto risco. Há motivos externos e internos, que influenciam no fechamento de empresas. Vou dar alguns exemplos:

Motivos externos:

-Ao lado, abriu um concorrente com poder de preços e atendimento melhores.

-Uma obra demorada na rua que inviabilize as pessoas entrar ou estacionar seus carros.

-Por perda de alguma concessão ou proibição de operar por parte do governo ou Justiça.

-Bloqueio judicial. Não dando margem para operações bancárias.

-Acidentes de grandes proporções, como o caso de Brumadinho.

-Criminalidade em determinada região, que afugenta clientes.

Há incontáveis situações externas, que podem determinar o fim de uma empresa.

Motivos internos:

Já os motivos internos que levam uma empresa a fechar são quase infindáveis. Mas podemos resumir em três grupos: conhecimento, motivação e energia interna. Os exemplos aqui retratados em cada grupo foram pinçados de conversas com vários empresários que tiveram suas empresas fechadas.

Vamos exemplificar, para melhor entendimento, os três grupos:

1º) Conhecimento

Não soube administrar, não tinha um plano de negócio nem estratégico, não tinha liderança, não conhecia o mercado, quis competir com os grandes, não conseguia formar uma equipe, foi roubado, a mercadoria não era bem aceita, preços eram muito baratos ou muito caros, cuidava das vendas e não olhava os controles, não tinha uma gestão financeira e nem administrativa. A retirada era maior do que a empresa podia suportar. Todas essas respostas fazem parte da classificação CONHECIMENTO.

2º) Motivação dos sócios

Não tinha saco para os problemas, desaparecia da empresa por longos períodos, estava bebendo muito, não gostava do que fazia, tinha pavor de acordar cedo, reuniões não são comigo, sentia-se mal em cobrar, não gostava de visitar e nem atender clientes, nunca conferiu um caixa, não tinha saco para cursos, workshoppings e palestras, tinha pânico da empresa, mal chegava já queria ir embora, não era isso que queria para a sua vida.

3º) Energia interna da empresa

Não se dava com os irmãos que eram seus sócios, não suportava o sócio, a esposa era sua sócia, brigava em casa e na empresa, teve um caso com uma funcionária, tinha grandes discussões com funcionários, a relação com os filhos atrapalhou os negócios, discutia com o pai porque ele não o escutava, era tudo do jeito dele.

A falta do conhecimento e a desmotivação são cabos de alta-tensão jogando energias negativas para dentro das empresas. Não conheço outra solução para manter uma empresa sadia e em crescimento. Se não for pela constante busca do conhecimento, da automotivação, por parte dos seus sócios, abastecendo-se com energias positivas e contagiando todos que fazem a empresa.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.