O Mundo | Restauração

Macron promete reconstruir Notre-Dame em até 5 anos

Presidente da França falou em cadeia de televisão sobre incêndio na catedral; o total de doações prometidas por bilionários franceses chegou a pelo menos 600 milhões de euros, ou R$ 2,634 bilhões
17/04/2019
Macron promete reconstruir  Notre-Dame em até 5 anosPeritos inspecionam o teto da catedral de Notre-Dame, um dia depois do incêndio (AFP)

PARIS - O presidente da França, Emmanuel Macron, voltou a prometer ontem,16, a reconstrução em até cinco anos da Catedral de Notre-Dame, após o incêndio que a destruiu parcialmente. "Nós vamos reconstruí-la, e vai ser ainda mais bonita", afirmou, em discurso na televisão. O templo é considerado um dos maiores símbolos de Paris, a capital francesa.

"Ao longo de nossa história, nós construímos cidades, portos e igrejas. Muito foi destruído, e sempre nós reconstruímos", disse o presidente francês.

Macron também parabenizou os trabalhos das equipes de resgate. "Cada um fez o que pode, cada um em seu lugar, cada um com o seu papel", acrescentou. "Eu enfatizo a vocês: nós somos este povo de construtores. Temos muito a reconstruir", disse Macron.

É o segundo discurso de Macron desde o incêndio na Notre-Dame. Enquanto as equipes ainda tentavam apagar o fogo, na segunda-feira, o presidente foi até a praça em frente à catedral, e prometeu uma campanha internacional para reconstruir a igreja.

Doações

O grupo de cosméticos L'Oreal e a família Bettencourt Meyers, sua principal acionista, anunciaram ontem a doação de 200 milhões de euros para a reconstrução da catedral deNotre-Dame , em Paris . Com isso, o total de doações prometidas por bilionários franceses chegou a pelo menos 600 milhões de euros, ou R$ 2,634 bilhões.

Ainda na segunda-feira, as famílias Arnault e Pinault, duas das mais ricas da França, anunciaram ajuda financeira para a reconstrução. Bernard Arnault e o conglomerado de luxo que controla, o LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy), doarão 200 milhões de euros. Sua concorrente Kering, fundada pelo bilionário François Pinault e dona de marcas de luxo como Saint Laurent, Gucci e Alexander McQueen, ofereceu 100 milhões de euros. Patrick Pouyanné, CEO da gigante de petróleo francesa, a Total, anunciou a doação de 100 milhões de euros.

"Esta tragédia atinge todo o povo francês e, além disso, todos os que cultivam valores espirituais", disse Francois-Henri Pinault, 56, filho de François Pinault e atual dono da Kering. "Diante dela, todo mundo quer que essa joia do nosso patrimônio volte à vida o mais rápido possível".

O presidente Emmanuel Macron fez um apelo por doações para a reconstrução. Ele disse que chamará os maiores talentos do mundo para a tarefa.

Não está claro o quanto custará a restauração da catedral que começou a ser construída no século 12 e se tornou símbolo de Paris. No Reino Unido, quando o castelo de Windsor foi atingido por um incêndio em 1992, a recuperação custou US$ 48 milhões. A restauração de Notre-Dame estava em curso antes do incêndio, com um orçamento de 150 milhões de euros. Uma hipótese é que o fogo tenha se originado nas obras no telhado, que foi quase todo destruído pelas chamas.

Fortuna

O patriarca François Pinault, de 82 anos, é o 23º homem mais rico do mundo, com uma fortuna estimada em US$ 37,3 bilhões, segundo o ranking da Bloomberg. Bernard Arnault, de 70 anos, é o principal acionista da LVHM e o terceiro homem mais rico do mundo, com US$ 90,4 bilhões. A Total é a maior companhia francesa em vendas.

Todas as doações serão feitas para a Fundação do Patrimônio, organização privada que trabalha para proteger o patrimônio histórico francês.

Além das doações dos bilionários, a Fundação do Patrimônio já havia arrecadado mais 1,85 milhões de euros (R$ 8 milhões) até a manhã de ontem.A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, disse que o município vai liberar 50 milhões de euros, e a região de Île-de-France, outros 10 milhões (mais R$ 262 milhões).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte