Saúde

Hospital Universitário promove evento de prevenção para doenças nos rins

Foram oferecidos diversos serviços como parte da aplicação de questionário para rastreio de doença renal; mais de 300 pessoas foram atendidas durante todo o dia

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h26
Atendimentos foram realizados na Unidade de Marcação de Consultas do HU-UFMA
Atendimentos foram realizados na Unidade de Marcação de Consultas do HU-UFMA (HU-UFMA dia do rim)

SÃO LUÍS - A Unidade de Marcação de Consultas do Hospital Universitário recebeu nesta quinta-feira (14) uma equipe de profissionais que realizou diversas atividades, como aferição de pressão arterial, teste de glicemia capilar para diabéticos, antropometria (verificação do peso corporal, de altura e circunferência abdominal), avaliação do IMC (Índice de Massa Corporal) e demais orientações sobre nutrição, exercícios físicos e medicamentos.

Os serviços serviam como parte da aplicação de questionário para rastreio de doença renal, durante um evento feito para impulsionar as comemorações do Dia Mundial do Rim, celebrado em 13 de março. Profissionais e residentes da Unidade de Nefrologia e do Centro de Prevenção de Doenças Renais do Hospital Universitário da UFMA (HU-UFMA), em parceria com os acadêmicos das Ligas de Hipertensão Arterial (LHA) e de Afecções Renais (LARe), da UFMA, realizam a ação com o intuito de sensibilizar e conscientizar a população sobre a importância do cuidado com os rins.

“É importante realizarmos esse tipo de campanha de prevenção, pois elas servem como um despertar para os pacientes, que muitas vezes esquecem até que possuem um rim e não tomam os devidos cuidados”, disse Thina Klicia Oliveira, nefrologista e coordenadora do evento. Fazer desse despertar um diagnóstico precoce de possível problema renal é o principal objetivo da campanha, visto que as doenças renais são silenciosas.

“Quando o diagnostico precoce é feito, há como reverter. Em casos sérios, os profissionais já preparam os pacientes para tratamentos como dialise ou até mesmo transplante”, explica a médica. A profissional ainda explica que quando os problemas renais são ocasionados por causas secundárias, como pressão alta, diabetes, cálculo renal, dentre outros, esses são os focos de cuidados. “É por esse motivo que os serviços prestados nessa ação focam na pressão arterial, dentre os demais citados. É a partir desses exames que constatamos se a pessoa tem algum tipo de tendência a doenças renais”, completa a médica.

Mais de 300 pessoas foram atendidas durante todo o dia, em São Luís. Dona Maria Raimunda, de 51 anos, fez todos os testes disponibilizados pela equipe. “É realmente novo para mim, que nunca tinha vindo em um médico nefrologista. Eu tenho pressão alta e agora que descobri que isso pode aumentar nas chances de doenças renais, vou redobrar meu cuidado”, contou a dona de casa.

Sobre a campanha

Promovida anualmente pela Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), em 2019 o projeto traz como tema “Saúde dos rins para todos”, objetivando informar sobre a prevenção que todos devem ter com esses órgãos essenciais para o corpo humano.

Segundo dados da International Society of Nephrology (ISN), a Doença Renal Crônica (DRC) atualmente é considerada um problema mundial de saúde pública com desfechos adversos de insuficiência renal e morte prematura. Estima-se que atinge aproximadamente 195 milhões de mulheres em todo o mundo e atualmente é a 8ª principal causa de morte em mulheres, com cerca de 600 mil mortes por ano.

A melhor maneira de combater esse mal é a prevenção, fator que torna a conscientização e o fornecimento de informações para a sociedade a maior arma de combate contra esse problema. A DRC é silenciosa e afeta consideravelmente a qualidade de vida.

A Injúria Renal Aguda (IRA), um importante fator de risco para DRC, afeta mais de 13 milhões de pessoas no mundo, sendo que 85% desses casos ocorrem em países de baixa e média renda. Estima-se que cerca de 1,7mi morram anualmente por causa da IRA no mundo.

É importante considerar que a DRC e a IRA são condições impactantes para o aumento da morbidade e mortalidade de outras doenças, em função dos seus fatores de risco, como diabetes, hipertensão e da presença de infecções por hepatites, HIV, malária e tuberculose presente em muitos lugares do mundo. Em crianças, a DRC e a IRA também implicam em uma morbidade e mortalidade significativas.

Desafios

Apesar do crescente diagnóstico de doenças renais, em todo o mundo, a disparidade e a desigualdade na saúde renal ainda são comuns. A DRC e a IRA frequentemente são agravadas pelas condições sociais, discriminação de gênero, falta de informação em relação às doenças renais, riscos ocupacionais, poluição do meio ambiente entre outros fatores.

O transplante é considerado o tratamento com melhor relação custo-benefício para a DRC. No entanto, o procedimento cirúrgico, a infraestrutura, a exigência de equipes altamente especializadas, disponibilidade de doadores de órgãos, necessidade de diálise durante a espera (quando não é possível o transplante preemptivo), requisitos legais e o viés cultural existente em muitos países contra a doação de órgãos, representam importantes barreiras, tornando a diálise a única opção viável.

Dicas de ouro

Tenha hábitos alimentares saudáveis

Não fume

Controle seu peso

Controle a pressão arterial

Beba água

Não tome medicamentos sem orientação médica

Se for diabético ou tiver histórico de diabetes na família, controle glicemia (açúcar no sangue) regularmente

Pratique atividade física regularmente

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.