Polícia | Caso Coquilho

PM da chacina no Coquilho tem prisão prorrogada pela Justiça

O soldado Hamilton Caires Linhares está preso desde o dia 3 de janeiro, suspeito de ter executado os três jovens na área de construção do Minha Casa Minha Vida, que ele vigiava
Ismael Araújo13/02/2019

SÃO LUÍS - O soldado da Polícia Militar, Hamilton Caires Linhares, teve a sua prisão prorrogada por mais 30 dias por determinação do Poder Judiciário. Ele está preso desde o dia 7 de janeiro deste ano no presídio militar, no Calhau, suspeito de participação na chacina ocorrida no bairro Coquilho, zona rural da capital. Esse crime ocorreu no dia 3 de janeiro e os mortos foram Joanderson da Silva Diniz, de 17 anos; Gildean Castro Silva, de 14 anos, e Gustavo Feitosa Monroe, de 18 anos.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.