Vida | Volta às aulas

Pediatra dá dicas de alimentação, sono e peso da mochila dos pequenos

Especialista explica que algumas crianças têm dificuldade para se adaptar ao ritmo e aceitar as novas responsabilidades
10/02/2019 às 00h00
Pediatra dá dicas de alimentação, sono e peso da mochila dos pequenosO retorno à escola vem acompanhado de expectativas, ansiedade e até medo das novas obrigações (Divulgação)

São Paulo - Muitas escolas voltaram às aulas nos últimos dias, trazendo mudanças na rotina das crianças com horário para dormir, refeições, lição de casa e arrumar os materiais escolares. Nesta fase, o retorno à escola vem acompanhado de expectativas, ansiedade e até medo das novas obrigações.

Segundo o médico pediatra Hamilton Robledo, algumas crianças têm dificuldade para se adaptar ao ritmo e aceitar as novas responsabilidades. “Nas férias é extremamente comum os pais liberarem mais tempo para o lazer como televisão e jogos eletrônicos, deixar livre o horário de dormir e acordar, e isto é ótimo, pois cria a sensação de independência e liberdade. Entretanto, a volta às aulas significa a perda desta conquista e determina o retorno às restrições”, explica.

Comportamento dos pais
A postura dos pais é muito importante, pois a volta à rotina não deve ser encarada como um problema, mas com entusiasmo e alegria. “Eles podem mostrar a importância de rever escola, amigos, professores, e procurar participar deste processo, como um exemplo”, comenta o pediatra do Hospital São Camilo. Já para os menores, a escola traz a sensação de abandono e desconhecimento das pessoas ao redor que os deixam extremamente assustados. “Este momento necessita de calma, presença dos pais nos primeiros dias de adaptação, para que este processo seja o mais natural possível e sem traumas, incentivando a socialização e mostrando segurança”, conta o Hamilton Robledo.

Sono equilibrado
O sono é essencial para o desenvolvimento físico, mental e social das crianças, porque é quando fixam na memória o que aprendem durante o dia. Noites mal dormidas podem desencadear irritação, agito e desatenção, prejudicando as atividades que requerem concentração. “O ideal seria colocar horários para dormir e acordar 3 a 5 dias antes do retorno às aulas”, diz o especialista.

Peso da mochila
De acordo com o pediatra, o peso da mochila não deve ultrapassar 10% do peso da criança, por exemplo, uma criança de 20 kg não deve carregar mais de 2 kg. Além disso, vale regular a altura correta que não pode ser maior que as costas da criança, usar sempre as duas alças e ainda ter uma tira que amarre na cintura para distribuir melhor o peso. Já para a mala de rodinha, a orientação é estar na altura do punho para não se encurvar.

“As consequências do excesso de peso da mochila agravada pelo hábito de utilizar somente uma alça são: dores nas costas e ombro, desvios de postura e alterações da coluna como lordose e escoliose, lesões nas placas de crescimento dos ossos, prejudicando assim também o crescimento”, reforça o pediatra.

Lancheira
A alimentação da criança também é muito importante para o seu desenvolvimento. Para isso, o ideal seria a utilização de lancheiras térmicas, que dão mais opções na escolha do alimento, como iogurtes e patês, que também podem ser frutas ou salada de frutas.

Os bolos também são uma opção, desde que preparados de maneira saudável, com a menor quantidade de farinha branca possível. “Devemos pensar em substituir também o trigo refinado pelo integral, além do açúcar comum por mascavo. Além de pãezinhos de mandioca ou de cenoura, em substituição às bisnaguinhas industrializadas, preferidas dos pais pelo formato e aceitação mais fácil em alguns casos”, orienta.

As bebidas são sempre uma grande dúvida dos pais, uma vez que perdem o gosto e os micronutrientes se não consumidos na hora. Neste caso, vale escolhermos os sucos de frutas com menor velocidade de oxidação, como goiaba, acerola, maracujá ou abacaxi, por exemplo. “A recomendação é sempre consumirmos em até três horas após o preparo”, finaliza.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.