Polícia | Violência

Oito mortos em confronto na Vila Conceição; cerco policial vai continuar

Ação policial, ontem, resultou em confronto com suspeitos de integrarem facções; na Vila Palmeira,clima é de insegurança, com constantes tiroteios
Ismael Araújo25/01/2019

SÃO LUÍS - Oito pessoas suspeitas de integrarem facções criminosas foram mortas em confronto com a polícia durante operação realizada na Vila Conceição, área do Alto do Calhau. Ainda no decorrer desse cerco policial, foram apreendidos sete armas de fogo, várias munições de calibres diversos e droga.

O delegado Gil Gonçalves, da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), declarou que essa operação teve participação de policiais civis e militares, como apoio do helicóptero do Centro Tático Aéreo, visando combater a criminalidade no bairro, principalmente as ações coordenadas por integrantes de facções criminosas.

No último fim de semana circulou em redes sociais um vídeo no qual os faccionados dessa área, apresentavam armas de longo calibre e empreitadas criminosas nessa localidade. O delegado disse que esse material foi analisado e identificado alguns “cabeças” de grupo criminoso. “O cerco policial vai continuar na área, onde existem locais de difícil acesso”, disse o delegado.

Os mortos foram removidos para o Hospital Municipal Socorrão I, no centro, onde chegou a ter tumulto. Familiares das vítimas ficaram em pânico quando olharam os corpos na pedra. Policiais militares foram deslocados para o hospital para conter os ânimos.

Vila Palmeira

Além da Vila Conceição, o clima ainda era tenso na tarde desta quinta-feira, 24, no bairro Vila Palmeira, que segundo os moradores, é comandado por “faccionados”. Durante a madrugada ocorreu um intenso tiroteio, que de acordo com a polícia, resultou em ferimento de uma pessoa e uma residência invadira por criminosos. Com a chegada da polícia, parte dos criminosos fugiu por uma área de matagal. Seis pessoas foram conduzidas ao plantão da Polícia Civil, nas Cajazeiras, entre elas dois adolescentes. Dois simulacros de arma de fogo foram apreendidas.

Na área da Vila Palmeira está localizada a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a sede da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e dois colégios militares, o Tiradentes e o Dois de Julho, onde estudam centenas de crianças e adolescentes. O Estado circulou na tarde desta quinta-feira pela localidade e encontrou várias residências de portas e janelas fechadas. A maioria desses imóveis com grade de ferro, como medida de proteção.

É possível encontrar imóveis com placas de venda ou aluguel ou abandonados. Também há muros pichados com siglas de facções criminosas e algumas delas tendo ponto base o Rio de Janeiro. Além disso, vários pontos comerciais estão fechados e os que ainda funcionam, possuem grades.

Um dos moradores, que não quis se identificar com receio de represália, declarou que os faccionados estão reinando na área. “Há vários integrantes de facções. Eles promovem tiroteios diariamente no bairro e chegam a ditar normas”, disse o morador.

Outra moradora declarou que reside na área há mais de 20 anos, mas nos últimos três anos, a violência tem aumentando. Ela informou, ainda, que os assaltos estão constantes e ocorrerem até mesmo durante o dia.

Um outro morador, não identificado, disse que a venda de droga está intensa na Vila Palmeira e há ruas que possuem três ou mais bocas de fumo. Essa ação criminosa ocorre até mesmo durante o dia e é mais intenso à noite e madrugada. “O tiroteio de ontem começou por integrantes de uma facção que pretendiam tomar boca de fumo do grupo rival”, explicou o morador.

Mais tiros

No final da noite da última quarta-feira, guarnições do Batalhão Tiradentes ouviram tiros oriundos da Rua São Raimundo, na Vila Palmeiras. Segundo a polícia, os militares ao chegarem a essa rua foram recebidos à bala por um banco composto por mais de 15 criminosos. Houve troca de tiros entre policiais e faccionados.

O tiroteio somente cessou com a chegada de reforço dos policiais do 9º Batalhão da Polícia Militar. Os militares realizaram rondas e encontraram primeiramente um adolescente de 14 anos, baleado no pé em uma residência. Com esse menor foi apreendido dois simulacros de arma de fogo. As buscas continuaram, principalmente na área de mangue onde mais um adolescente de 16 anos foi apreendido. Também foram presos Roberto dos Anjos Costa, de 20 anos; Ivisson de Oliveira Costa, de 20 anos; Raimundo Nonato Pires, de 37 anos, e Francisco Xavier Alves, de 28 anos.

A polícia informou, ainda, que guarnições do Batalhão de Choque e do 9º Batalhão ainda na tarde de ontem realizaram buscas na localidade para manter a ordem e a tranquilidade no bairro.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte