Polícia | Mistério

Nova versão altera investigação sobre a morte de motorista

Passageiros do aplicativo Uber seriam desafetos do atirador, que, ao avistá-los, os perseguiu para matá-los, mas os tiros atingiram Edimilson Pimenta Azevedo
Daniel Júnior 11/01/2019
Nova versão altera investigação sobre a morte de motoristaEdmilson Pimenta pode ter sido atingido no lugar dos passageiros (Divulgação)

SÃO LUÍS - Uma nova versão altera as linhas de investigação do assassinato do motorista do aplicativo Uber, Edmilson Pimenta Azevedo, na noite de domingo, 6, no bairro Liberdade, em São Luís. A vítima não seria o alvo do motociclista que fez os disparos, o qual ainda não foi identificado. De acordo com a polícia, duas situações podem ter acontecido naquele dia: os passageiros eram desafeto do atirador, que, ao avistá-los, os perseguiu para matá-los; ou os ocupantes iniciaram uma discussão de trânsito com o motociclista, que, com raiva, revidou com disparos de arma de fogo.

“Dois dos passageiros que estavam no veículo têm passagem na polícia por roubo, e contra um deles foi cumprido um mandato de prisão por sentença condenatória, durante o depoimento, por um crime praticado há dois anos. Esse motociclista que atirou pode ter tido algum desafeto com eles no passado, por algum motivo que desconhecemos ainda, ou aconteceu alguma briga de trânsito entre o motociclista e os passageiros. O motociclista tentou matá-los e os tiros acabaram atingindo o motorista”, explicou o delegado Clarismar Campos, da Superintendência de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP).

O delegado destacou que o motociclista ainda não foi encontrado, mas imagens de estabelecimentos comerciais estão ajudando na identificação desse atirador. “Já sabemos como são alguns traços dele, altura, moto”, disse Campos. Outra linha de investigação, relatada nos depoimentos, aponta que houve uma briga de trânsito entre o motorista e o motociclista.

“Os passageiros podem está dizendo isso, porque não querem carregar a culpa caso o motorista tenha sido morto, por causa de uma confusão que eles causaram, mas isso é só uma hipótese. As investigações continuam e a possibilidade de latrocínio – que é o roubo ou tentativa de roubo seguida de morte – não está descartada”, acrescentou o delegado.

O crime

Edmilson Pimenta Azevedo, de 54 anos, motorista do aplicativo Uber, foi morto na noite de domingo, 6, na Avenida Luiz Rocha, no bairro Liberdade, na capital maranhense. Ele realizava uma corrida, quando teria sido surpreendido por criminosos. De acordo com a polícia, a versão inicial era de que Edimilson havia deixado uma passageira no bairro Liberdade e estava atravessando a Avenida Luiz Rocha, na capital, quando foi atingido por disparos de arma de fogo na região das costas disparados por criminosos que ainda não foram identificados. No carro, de placas OIW 6295, ficaram diversas marcas dos tiros, que também atingiram e perfuraram o pulmão da vítima.

Ainda conforme a polícia, Edmilson Pimenta após ser baleado, ainda tentou sair do local dirigindo por alguns metros, mas acabou batendo o seu veículo em uma árvore, no canteiro central. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão I), no centro da capital, mas não resistiu a gravidade dos ferimentos. Segundo a polícia, o crime pode ter sido praticado por três homens e uma mulher. A suspeita inicial era de que o motorista teria sido baleado após uma tentativa de assalto.

Com a continuação das investigações, novas versões foram surgindo, mas a polícia acredita que o caso será esclarecido em breve.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.