Estado Maior

Nas alturas

09/01/2019

Um fato chamou especial atenção de fornecedores do Governo do Maranhão na entrevista que concedeu o governador Flávio Dino (PCdoB) à Folha de S. Paulo, publicada na segunda-feira, 7.
Em determinado ponto, o comunista admite "algum atraso de fornecedores, mas nada alarmante".
Após uma rápida pesquisa no Portal da Transparência do Maranhão, percebe-se que o conceito de "alarmante" do governador maranhense pode não ser o mesmo do homem médio - muito menos dos fornecedores com faturas em atraso.
Segundo dados oficiais, a atual gestão estadual entrou o ano de 2018 com mais de R$ 807 milhões de restos a pagar - ou seja, débitos não quitados do ano anterior -, quase R$ 200 milhões a mais que os R$ 624 milhões de 2017.
São valores que só aumentam ano a ano. Por isso, hoje estão nas alturas.
Em 2015, assim que assumiu o governo, Dino recebeu o Estado com restos a pagar da ordem de R$ 289 milhões. Quatro anos depois, o valor do “calote” em fornecedores praticamente triplicou.
Mas não é “nada alarmante”.
Aguardemos os dados de 2019, que estarão disponíveis para consulta pública em breve.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte