Alternativo | Retrospectiva

Um ano positivo para as produções da cultura maranhense

Alguns trabalhos de talentos maranhenses foram ressaltados em 2019
30/12/2018 às 08h25
O musical sobre João do Vale foi um sucesso em 2018

São Luís - O ano de 2018 foi marcado por inéditos acontecimentos culturais no Maranhão e as produções ganharam destaque nas áreas de cinema, teatro, dança e música. Foi o ano, por exemplo, em que o musical “João do Vale: O Gênio Improvável”, montado pelo Teatro Arthur Azevedo, cumpriu turnê em homenagem ao maior compositor da história do Maranhão e, também, para dar continuidade às celebrações alusivas ao bicentenário de fundação do Arthur Azevedo.

O diretor do teatro, Celso Brandão, fez uma análise positiva e destacou também, na área da dança, o espetáculo “Chico, Eu e Buarque”. “Nossa turnê em homenagem a João do Vale foi um sucesso e passou por Caxias, Codó, Coroatá, Pedreiras, Teresina e São Luís. Foi sensacional, porque quando passamos por essas cidades levando um espetáculo desse porte, com uma megaestrutura, percebemos a força que João do Vale tem e a necessidade que as pessoas têm de conhecer a arte de qualidade e a nossa própria arte”, disse.

Celso Brandão lembrou que “Chico, Eu e Buarque” estreou no início do ano e, entre outras coisas, participou da Semana Maranhense de Dança. “Passamos por Fortaleza, Campanina Grande, por ocasião do aniversário do Teatro Municipal Severino Cabral e tivemos uma temporada na capital. As duas produções, aliás, foram aprovadas pela Lei Rouanet para turnês nacionais em 2019”, anunciou.

O ano de 2018 também foi marcado pelo lançamento de um documentário inédito em curta-metragem “José Louzeiro - Depois da Luta”, sobre a trajetória do roteirista, escritor e jornalista maranhense José Louzeiro, dirigido pela cineasta maranhense Maria Thereza Soares, com trabalho de pesquisa assinado pela jornalista Bruna Castelo Branco. O filme recebeu menção honrosa no Festival Guarnicê de Cinema e também no Maranhão na Tela.

O documentário sobre José Louzeiro foi marcante em 2018

O documentário, entre outras coisas, foi exibido, em sessão única, no dia 14 de julho, na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. “É um trabalho do qual muito nos orgulhamos, porque ressalta umas das personalidades mais marcantes da literatura e do cinema nacional”, diz Bruna Castelo Branco.

O curta “Aquarela”, produzido pelos diretores e roteiristas Thiago Kistenmacker e o maranhense Al Danuzio receberam, na cerimônia de encerramento do Festival de Gramado, o cobiçado Kikito, nas categorias “Melhor Desenho de Som”, assinado por Fábio Carneiro Leão, e “Melhor Montagem”, que ficou nas mãos do próprio diretor Tiago Kistenmacker. O 46º Festival de Cinema de Gramado ocorreu entre os dias 17 e 25 de agosto, contemplando filmes nacionais e ibero-americanos.

O filme Aquarela recebeu prêmio

No campo da música, a Banda Soulvenir disputou o festival “New Blood Competition”, que aconteceu entre os dias 21 e 24 de junho, tendo ficado em segundo lugar na votação online. A banda ainda chegou a se apresentar n a Europa, onde apresentou músicas dos álbuns “Galaxy Species (DoSol - 2014)” e “Uterearth” (Sony Music – 2017).

"Foram três meses e também estávamos produzindo álbum novo para 2019. Nós passamos por Portugal, Espanha, França, Suécia, Dinamarca e Reino Unido. Na bagagem, levamos o rock eletrônico e os ritmos regionais que incrementam o álbum 'Uterearth', que reúne 11 faixas, com uma introdução instrumental e dez canções", disse Marlon Silva.

Os músicos da banda Soulvenir brilharam na Europa

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte