Esporte | Prejuízo rubro-negro

Moto Club termina 2018 com déficit de R$ 3,1 milhões

Em meio à preparação da equipe visando a temporada do ano que vem, diretoria apresenta receitas do clube e escancará dificuldades
Thiago Bastos / O Estado 24/12/2018
Moto Club termina 2018 com déficit de R$ 3,1 milhõesLucas Almeida

Em meio à preparação para a temporada 2019, o Moto Club de São Luís apresentou as contas do time nos últimos meses e escancarou as dificuldades financeiras. Planilhas divulgadas pelo setor financeiro da instituição apontam que o rubro-negro terminou o calendário deste ano (considerando despesas e receitas) com um déficit aproximado de R$ 3,17 milhões. A falta de fontes próprias de arrecadação, ineficiência das ações de marketing e dos programas de sócio-torcedor estão entre algumas das causas para o problema. Além disso, a ausência de uma política, nos últimos anos, que cuidasse das finanças do Moto também pesou contra esse saldo ruim.

Ainda de acordo com o boletim do clube, enquanto o total de receitas foi de aproximadamente R$ 814 mil, as despesas ultrapassaram a casa dos 3,9 milhões. Somente com folha salarial mensal, segundo a diretoria rubro-negra, era destinado do caixa R$ 127 mil. O mês de junho, com R$ 798,8 mil, foi o que mês onerou os cofres do clube em 2018. Em contrapartida, o mês de fevereiro, com R$ 19,7 mil, esteve no período em que o Moto menos arrecadou no ano.

Apesar da disputa da Série D do Campeonato Brasileiro e do fato de ter sido campeão maranhense, ainda assim o orçamento do clube ficou comprometido. Considerando as arrecadações de quatro dos jogos do Moto na competição nacional deste ano – contra Altos (PI), Sparta (TO), Assu (RN) e Fluminense (BA) – o clube reuniu apenas R$ 121 mil de renda, o que não cobre um mês de folha. Nem mesmo os públicos da principal competição estadual foram suficientes para equilibrar as contas.

Em todos os meses cuja análise financeira foi feita (janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho e julho), o Moto Club registrou saldo negativo. O sexto mês do ano foi o de pior prejuízo ao Papão. No período, entre receitas e despesas, foram R$ 708,1 mil de prejuízo, valor equivalente a quase sete meses de pagamento para jogadores e comissão técnica.

O mês de julho foi o de melhor saldo de arrecadação, com R$ 304,9 mil de recursos positivos, ou seja, que entraram nos cofres. Este desempenho teve participação direta do repasse das cotas de patrocínio (R$ 192,5 mil) da camisa e da Copa do Brasil, cujo dinheiro (conforme dito pela própria diretoria rubro-negra) foi antecipado. No total, foram R$ 100 mil repassados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ao clube via Federação Maranhense.

Energia e passagens

Nos três primeiros meses do ano, ainda de acordo com o balancete do clube, a conta de energia elétrica do CT Pereira dos Santos foi paga pelo conselheiro Edmar Cutrim. Já as passagens para o jogo entre Moto Club e Imperatriz disputado no interior do estado e valido pela final do Campeonato Maranhense teriam sido quitadas por campanhas promovidas pelos torcedores do Papão nas redes sociais. Segundo a diretoria do clube, foram necessários R$ 25 mil e, deste total, quase R$ 6,1 mil foram repassados por torcedores que doaram ao clube de forma espontânea.

Folga no Natal

Dentro de campo, o rubro-negro começará na quarta-feira (26) mais uma semana de preparação. A comissão técnica gostou do desempenho da equipe no último sábado (22) no jogo no CT Pereira dos Santos contra o Santa Quitéria, quando o Papão venceu por seis a zero. A primeira escalação titular de Wallace Lemos foi a seguinte: Vitor Paiva, Diego Renan, Lucas Dias, Alisson, Matheus Mendes, Lucas Hulk, Naílson, Juninho Arcanjo, Elcarlos, Diego Vitor, Dalmo. No dia 30, de acordo com a assessoria, o time deverá fazer mais um amistoso com adversário a ser divulgado.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte