Economia | Presentes

Consumidor pretende gastar 7,9% mais neste Natal em SL

Pesquisa da Fecomércio/MA aponta que essa perspectiva positiva comprova a gradativa retomada da confiança dos consumidores, consequência do processo de recuperação do mercado de trabalho e da renda das famílias
08/12/2018

O comércio de São Luís segue apontando, mesmo que de forma lenta, para uma recuperação do volume de vendas. Esse é o cenário indicado pela pesquisa de intenção de consumo para o Natal deste ano, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA). De acordo com o estudo, a média de gastos com o presente natalino em 2018 cresceu 7,9%, quan­do comparado com o ano passado, e alcançou R$ 151,00. Considerando-se o índice de inflação oficial do país, que marcou 4,56% no acumulado dos últimos 12 meses até novembro, a perspectiva é de um avanço real de 3,3% sobre as intenções de gastos com o presente este ano.
Segundo a Fecomércio, esse resultado comprova a gradativa retomada da confiança dos consumidores de São Luís, consequência do processo de recuperação do mercado de trabalho e da renda das famílias ao longo do ano. “Durante todo o segundo semestre, registramos em nossos levantamentos econômicos um reaquecimento da confiança das famílias ludovicenses em relação ao consumo, com destaque para a melhoria da percepção do consumidor quanto ao momento para aquisição de bens duráveis. É claro que ainda temos muito a caminhar para alcançar os indicadores do período pré-crise, mas esses são sinais claros que estamos seguindo na direção correta”, explica o presidente da Federação do Comércio, José Arteiro da Silva.
Para a entidade que representa o empresariado do comércio maranhense, essa recuperação tem seguido a passos lentos em função dos índices negativos acumulados ao longo do período da crise. Somente em relação ao mercado de trabalho, a capital maranhense viu desaparecer 24.482 postos de trabalho com carteira assinada entre janeiro de 2014 a dezembro de 2016. Já o declínio do volume de vendas do comércio no Maranhão foi de 13,8% nos anos de 2015 e 2016, fazendo o varejo do estado recuar para índices de 2012.
“Em 2017, nós avançamos 4,5% no crescimento do volume de vendas. Em 2018, a previsão é que aceleremos mais 6,5%. Somados, esses resultados positivos ainda não são suficientes para recuperar as perdas registradas na crise econômica, por isso os empresários ainda não conseguem sentir de forma mais aguda essa retomada das vendas”, frisa José Arteiro.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte