Polícia | Justiça

Condenado por homicídio é preso na cidade de Caxias

Adriano Costa da Silva, de 26 anos, além da condenação por homicídio, é acusado ainda de crime de estupro de vulnerável, praticado no ano de 2016, na cidade
Daniel Júnior 07/12/2018
Condenado por homicídio é preso na cidade de CaxiasAdriano Costa da Silva, que além de um homicídio, responde também por estupro (Adriano)

Caxias – Adriano Costa da Silva, de 26 anos, foi preso na última quarta-feira, 4, por meio de um mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Caxias, a 360 km de São Luís. De acordo com as autoridades policiais, Adriano foi condenado a 15 (quinze) anos de reclusão, pelo cometimento do crime de homicídio duplamente qualificado ocorrido no ano de 2014, na cidade.

Adriano também está sendo acusado pelo crime de estupro de vulnerável, praticado também na mesma cidade no ano de 2016. O preso foi apresentado na sede da Delegacia Regional de Caxias, para prestar seu devido depoimento e posteriormente encaminhado a Unidade Prisional e de Ressocialização (UPR) da região.

O que é o crime de Homicídio qualificado?

O homicídio é qualificado quando revela uma atitude especialmente censurável ou perversa do praticante. Pode ser quando o homicida tortura a sua vítima, aumentando o seu sofrimento.

Também pode ser considerado qualificado quando o motivo do homicídio está relacionado com a discriminação (racial, sexual ou religiosa). A premeditação de um homicídio também pode ser um fator que o classifica como qualificado. Por exemplo, uma pessoa que envenena outra poderá ser julgada por homicídio qualificado.

Os fatores que determinam o homicídio, como o motivo, meio, ou quando é feito para encobrir outro crime, são chamados de qualificadores. Se um homicídio tem dois qualificadores, é considerado duplamente qualificado, se tem três qualificadores é triplamente qualificado.

Fonte: significados.com.br

Estrupo de vulnerável:

Delito previsto no artigo 217-A do Código Penal Brasileiro (CPB). São elementos objetivos do tipo: “ter” (conseguir, alcançar) conjunção carnal (cópula entre pênis e vagina) ou “praticar” (realizar, executar) outro ato libidinoso (qualquer ação que objetive prazer sexual) com menor de 14 anos, com alguém enfermo (doente) ou deficiente (portador de retardo ou insuficiência) mental, que não tenha o necessário (indispensável) discernimento (capacidade de distinção e conhecimento do que se passa, critério ou juízo) para a prática do ato sexual, assim como alguém que, por qualquer outra causa, não possa oferecer resistência (força de oposição contra algo). O vulnerável é a pessoa incapaz de consentir validamente o ato sexual, ou seja, é o passível de lesão, despido de proteção.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.