Alternativo | Música

Djavan lança "Cedo ou Tarde", segundo single de "Vesúvio"

Disco tem lançamento oficial marcado para 23 de novembro e vem cheio de surpresas melódicas, harmônicas e poéticas
04/11/2018 às 07h00
Djavan lança "Cedo ou Tarde", segundo single de "Vesúvio"Djavan lança “Cedo ou tarde”, um funk suingadíssimo (Djavan)

SÃO PAULO - Em setembro, quando lançou “Solitude”, o primeiro single de seu novo álbum, “Vesúvio” (Luanda Records/Sony Music) – com lançamento oficial marcado para 23 de novembro –, Djavan já deixava claro qual seria a onda do novo trabalho: pop e político. Note-se que é um pop bem ao seu estilo – cheio de surpresas melódicas, harmônicas e poéticas – e um político bem ao seu jeito, no sentido de serem canções nada panfletárias, mas muito influenciadas pelo tempo presente, pelas observações do artista do momento conturbado do Brasil e do mundo. De certa forma, trata-se de um movimento raro em sua carreira, o que apenas demonstra a gravidade do momento e a urgência de se fazer canções a respeito, canções diretas, simples (sem abrir mão de seu estilo e elaboração): em uma palavra, pop.

Três semanas antes do lançamento do disco, o segundo single vem confirmar a tendência. “Cedo ou tarde” é pop. Ou mais especificamente, trata-se de um funk suingadíssimo, jeito antigo, que nos remete ao estilo como ele era nos anos 70 ou 80, mas com o estilo inconfundível de Djavan e um retrato da atualidade marcada pelo medo, numa definição poética impressionante: “Quem manda é o medo/A hora é imprópria/Pra sorrir/Viver assim/Com tais dissabores/Não é brincadeira”.

Por acaso – mas como em poesia, em arte não há acaso, apenas a antena do artista a captar as ondas do momento – “Cedo ou tarde” sai exatamente na hora em que o Brasil, radicalmente dividido até dentro das famílias, acaba de ir às urnas. E a canção expressa essa perplexidade também em relação ao país: “Com tantos rancores/Faz-se uma fogueira/Não sei/Mais o que é certo/O que decerto/É ruim/Nem sei de mim”.

"Estamos vivendo um momento de grande incerteza no Brasil e no mundo, tudo é complexo, confuso e nebuloso. Estou apreensivo com o futuro, todas as possibilidades são complicadas", diz o artista. Algumas canções do novo disco nasceram dessa perplexidade – explica Djavan, o contexto em que criou tanto “Solitude”, como esta “Cedo ou tarde”, que chega com um lyric video com direção de Rafael Gino, motion design de Carlos Eduardo Santos, ambos ex-alunos da Oi Kabum, escola de arte e tecnologia que oferece a estudantes da rede pública uma formação em artes gráficas e digitais, e direção de arte de Luma Rodrigues, do CriAtivo Film School, projeto da Nave de Conhecimento de Triagem.

Para além do momento, “Vesúvio” traz esse desejo incessante que Djavan tem de fazer canções, já lá se vão bem mais de 40 anos. Como o título indica – o belo, terrível e potente vulcão do Sul da Itália - as canções são de certo modo impregnadas por metáforas da natureza, pela potência da natureza. “Cedo ou tarde” também anuncia isso, com sua profusão de cores e elementos da natureza logo na abertura da canção: “Azul/Vem dos lados/De anil/Veio assim, nem me viu,/Mal passou por aqui/Aqui/Cedo ou tarde/É quando?/Antes eu me mando/Deixo o ar invadir”.

Como uma invasão de ar em meio a um mundo e um Brasil mais para o irrespirável, as novas canções de Djavan vêm chegando aos poucos. Já vieram duas. Em novembro vem mais uma dezena de canções pop, líricas, urgentes, lufadas de ar. Como esta “Cedo ou tarde”. Como devem ser as canções.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.