Polícia | Violência

Grupo de extermínio e crimes de pistolagem registrados no Maranhão

Cabo Freitas foi preso acusado de chefiar bando criminoso em operação em Icatu; foram detidos suspeitos de pistolagem em Chapadinha e Esperantinópolis
Ismael Araújo/ O Estado02/11/2018
Grupo de extermínio e crimes de pistolagem registrados no MaranhãoMaterial que teria sido apreendido com o cabo José Nascimento Freitas (cabo Freitas PM preso)

Crimes por encomenda, denominados como pistolagem, e até mesmo a existência de grupo de extermínio, de acordo com a polícia, liderado por policial militar, estão sendo registrados no interior do estado. Ontem (1º), foi preso o cabo reformado da Polícia Militar, José Nascimento Freitas Matos, Nhô, acusado de liderar grupo de extermínio, em companhia de Jaldenir Rabelo Amaral, Jal, durante a Operação Águas Boas, na cidade de Icatu. Em poder deles foram apreendidos espingardas, pistolas, revólveres, munições de diversos calibres, balaclavas, coletes balísticos e até meso fardamento de empresa de segurança privada.

O cerco policial foi realizado pela equipe da Superintendência Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), coordenado pelo delegado Jeffrey Furtado. Ele informou que o cabo Freitas foi preso em cumprimento de ordem judicial em sua residência, em Icatu. Nesse local, os policiais civis encontraram armas, munições, balaclavas, coletes e fardamento da área de segurança.

Também nessa cidade foi detido José Nascimento. O delegado declarou que os presos foram apresentados na sede da SHPP, na avenida Beira-Mar, em São Luís, onde prestaram esclarecimentos sobre assassinatos ocorridos no interior do estado, principalmente, na Região do Munim.

Ainda na tarde de ontem, o cabo Freitas foi encaminhado para a unidade prisional militar, Manelão, no comando da Polícia Militar, no Calhau, enquanto o outro detido foi levado para a Unidade Prisional de Rosário. “As buscas vão continuar para efetuar a prisão dos outros integrantes dessa organização criminosa”, disse Jeffrey Furtado.

Investigação
O delegado Jeffrey Furtado declarou que a organização criminosa vem sendo investigada há mais de dois anos e teria participado de mais de quatro assassinatos somente na Região do Munim. O cabo Freitas trabalhou nessa área do estado e, após ser reformado pela Polícia Militar, montou uma empresa de segurança de eventos como também passou a chefiar um grupo de extermínio.

“A maioria das vítimas dessa organização criminosa tem ligação com o tráfico de droga”, disse o delegado.

Jeffrey Furtado também informou que, por meio de testemunhas oculares, ficou comprovada a participação do cabo Freitas e de Jal em um duplo homicídio. Este crime ocorreu durante a noite do 23 de dezembro de 2016, no povoado Itapera do Apolônio, zona rural de Icatu, e as vítimas foram o traficante de entorpecente identificado como Werne da Silva Costa, Negão; e Bruno Pinheiro dos Santos.

No dia do crime, seis criminosos encapuzados foram primeiramente a residência de Negão, onde realizaram a execução. Eles ainda atearam fogo no local e no corpo de Negão. Em seguida, o bando criminoso se deslocou até a casa de um traficante, conhecido como Bebê Pequeno, e mataram a tiros Bruno Pinheiro.

O delegado informou que a motivação do duplo assassinato ainda não foi esclarecida, mas há informes que Negão teria participação no assassinato do sargento da Polícia Militar José de Ribamar Prisca da Silva, de 51 anos, ocorrido no dia 22 de dezembro de 2014, no bairro Jota Câmara, na cidade de São José de Ribamar.

Pistolagem
Os ciganos Hilton da Rocha, Neguinho; e Ormi da Rocha, Zezé, foram ontem encaminhados para a Unidade Prisional de Itapecuru-Mirim. O delegado regional de Chapadinha, Jacqueson Ferreira, informou que esses dois criminosos são acusados de vários assassinatos na cidade de Chapadinha e foram presos no último dia 31, em Pirapemas.

“Eles estavam escondidos nesse município e tendo um alvará de soltura falso”, explicou o delegado.

Também nesse dia foi preso Domingos Conceição de Sousa, em Pirapemas, portando uma arma de fogo. O delegado declarou que o detido teria sido contratado por uma pessoa, que reside em Chapadinha, para matar Hilton e Ormi da Rocha.

Confissão
Em Pedreiras, o delegado regional Diego Maciel, declarou que Antônio Teixeira de Oliveira, o Toin do Alto, confessou que recebeu uma quantia de R$ 6 mil para participar do triplo homicídio ocorrido no dia 17 de março de 2016, na cidade de Esperantinópolis. As vítimas foram Manoel Alves de Souza, o Thor, Antônia Ramos Alves e uma criança, nome não revelado.

Confissão

O delegado regional de Pedreiras, Diego Maciel, declarou que Antônio Teixeira de Oliveira, o Toin do Alto, confessou que recebeu uma quantia de R$ 6 mil para participar do triplo homicídio ocorrido no dia 17 de março de 2016, na cidade de Esperantinópolis. As vítimas foram Manoel Alves de Souza, o Thor, Antônia Ramos Alves e uma criança, nome não revelado.

Antônio Teixeira foi preso no último dia 31 nesse município e apresentado na Delegacia Regional de Pedreiras. Ainda no ano de 2016, a polícia prendeu um dos envolvidos desse crime, o empresário Erismar Lopes de Souza, em cumprimento de ordem judicial.

De acordo com a polícia, esse empresário é acusado de ter contratado Francisco Messias Filho, Mãozinha; e Antônio Teixeira para executarem as vítimas. No mês de julho de 2016, a polícia conseguiu prender Mãozinha, na cidade de Itinga, e, logo após, transferido para a Delegacia Regional de Pedreiras.

Saiba mais

Mortes ocorridas no interior do MA

A polícia registrou dois crimes de pistolagem na região do Médio Mearim e uma das vítimas foi Rosileide Granjeiro Souza, a Lêda, de 33 anos. Ela foi alvejada com mais de 13 tiros na porta de sua residência, localizada no bairro Novo Seringal, no município de Pedreiras, na manhã do dia 30 de outubro deste ano. No dia anterior foi morto com mais de 10 tiros o ex-presidiário Redivaldo Vieira Rodrigues, o Negão, de 44 anos, na porta da residência dos seus pais, no bairro Cajueiro, em Lago da Pedra.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.