Política | Eleição

Antes de iniciar 2º mandato, Dino faz projeção pessimista

Comunista utilizou rede social para sugerir conflitos sociais no Brasil e colapso nas finanças públicas
Ronaldo Rocha/Da editoria de Política01/11/2018

Reeleito para um mandato de mais 4 anos, o governador Flávio Dino (PCdoB) utilizou o seu perfil em rede social para fazer uma “previsão” negativa da economia em 2019. Para ele, o próximo ano será de conflitos sociais e colapso nas finanças públicas de muitos estados e municípios.
Trata-se, contudo, de uma espécie de carta de seguro do comunista, diante do grau de endividamento ampliado no estado por sua gestão.
No mês passado, quando atualizou o levantamento de âmbito nacional, o Banco Central mostrou que o governo Flávio Dino aumentou em 40% a dívida pública do estado.
Os dados constam no relatório da dívida contratual interna dos estados e municípios junto ao Tesouro Nacional e ao Sistema Financeiro Nacional do Banco Central.
De acordo com o relatório somente na atual gestão, o Governo conseguiu ampliar em mais de R$ 1.4 bilhões o endividamento do estado.
Ao deixar o mandato em 2014, segundo o próprio Banco Central, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) deixou dívida pública no estado de cerca de R$ 3.2 bilhões.
Já no primeiro ano de gestão, Dino elevou esse montante em mais
R$ 600 milhões. O discurso do comunista, contudo, era o de enxugamento da máquina, renegociação de débitos e equilíbrio fiscal, financeiro e econômico do estado. Em dezembro de 2016, segundo ano de mandato de Flávio Dino, o endividamento público do Maranhão saltou para mais de R$ 4 bilhões.
No ano seguinte, 2017, mesmo período em que surgiu o escândalo dos “Aluguéis Camaradas” explorados pela imprensa nacional e com reportagens veiculados no Bom Dia Brasil, da TV Globo e por portais de notícias, houve um acréscimo de mais de R$ 200 milhões da dívida pública do estado, alcançando o patamar de R$ 4.203.590.164,70 bilhões.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.