Política | Boataria

Bolsonaro reafirma que não nomeará condenados por corrupção

Dos quatro nomes divulgados nenhum é réu/condenado por corrupção contra o governo
José Linhares Jr31/10/2018 às 16h01
Todos os quatro indicados por Bolsonaro para ministérios são livres de condenações por corrupção

Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta (31) que condenados por corrupção não irão ocupar ministérios em seu governo. O anúncio foi dado após uma polêmica envolvendo o deputado Alberto Fraga (DEM). Essa foi a terceira declaração pública de Bolsonaro em relação ao assunto.


Até agora são quatro os nomes oficializados para o compor o governo. Além do astronauta Marcos Pontes, para o Ministério da Ciência e Tecnologia já foram confirmados o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) na Casa Civil, o economista Paulo Guedes na Economia e o general Augusto Heleno (PRP) na Defesa. Nenhum dos quatro foi condenado ou responde inquérito por corrupção contra o governo

Poucos dias antes da eleição do segundo turno o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) disse à imprensa que Bolsonaro o queria como ministro das Relações Institucionais. O deputado foi condenado em setembro desse ano a quatro anos, dois meses e 20 dias de prisão, em regime semiaberto, pela prática do crime de concussão (exigir vantagem ilícita em razão do cargo).

Ainda durante o segundo turno, Bolsonaro publicou mensagem em suas redes sociais em que denunciou "oportunistas" que se anunciam ministros. "Com intuito de se promover ou nos desgastar, oportunistas se anunciam ministros. Estes, de antemão, já podem se considerar fora de qualquer possível governo", escreveu.

Menos de um dia após a vitória no segundo turno, Bolsonaro disse em entrevista a Record TV que aqueles que se lançaram como ministros já "podem se considerar fora do governo".

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte