Esporte | Sonho de criança

Longe de casa, maranhense busca estrelato no difícil mundo do futebol

Destaque no futsal de São Luís desde a infância, Herderson Galvão busca seu sonho e acumula passagens por times do Rio, Ceará e até da Malásia
25/08/2018
Herderson Galvão Maia em atividade pelo Rio São Paulo

SÃO LUÍS – Trilhando o mesmo caminho de atacantes maranhenses que se destacaram longe do Maranhão, Herderson Galvão Maia, de 23 anos, é mais um atleta nascido no estado que trilha os caminhos do futebol mundial em busca do sonho de se tornar um grande jogador, apesar das dificuldades que essa jornada lhe impõe. Atuando com destaque no futsal em São Luís até os seus 14 anos, Herderson tem boa passagem pelas categorias de base do Maranhão Atlético Clube, mas se profissionalizou no Fortaleza (CE) e, antes de retornar para o futebol brasileiro neste ano, acumula uma passagem pelo futebol da Malásia e muita história para contar. Só o tempo dirá se ele vai ser tornar um Guilherme (ex-Corinthians e Atlético-MG) ou um Elkeson (ex-Botafogo e que hoje joga na China), só para citar dois exemplos de maranhenses que alcançaram o estrelato no futebol nacional.

Logo após largar o futsal, quanto completava seus 15 anos, Herderson foi para as categorias de base do Maranhão Atlético Clube (MAC), onde disputou um Campeonato Maranhense sub-17, sendo vice-artilheiro da competição. Como foi um dos destaques da competição, o atacante foi levado por um empresário para o Fortaleza (CE). Jogando no Ceará, ele passou duas temporadas nas categorias de base do Tricolor, em seguida assinou com a equipe cearense o seu primeiro contrato profissional.

Atuando pelo Fortaleza, o maranhense foi campeão cearense sub-20 e artilheiro da competição. Depois de dois anos, ele trocou o Fortaleza pelo rival Ceará, onde não foi muito aproveitado pelo treinador da época. Sem espaço no Vovô, ele foi emprestado ao 4 de julho (PI), onde ele jogou uma Copa São Paulo de Futebol Júnior e um Campeonato Piauiense.

Motivação na família

Mesmo diante dessas dificuldades, como ficar sem jogar por opção de um treinador, Herderson mostra bastante vontade e afirma que o sonho de ajudar a família sempre vira motivação para ele seguir sua carreira.

“Eu saí de casa com 15 anos de idade. Estou nessa luta para dar uma vida melhor para os meus pais, meu irmão. Eu não tenho filhos, mas tenho um sobrinho que é como se fosse meu filho, e eu quero muito ajudar ele. Minha família sempre me apoia, e é por eles que eu busco força para seguir esse sonho.”, comentou.

Herderson durante sua passagem pelo futebol da Malásia

O jovem atleta falou também sobre problemas internos que só quem vive os bastidores do futebol conhece. “Infelizmente, no futebol existe muita coisa suja. A famosa trairagem. Isso tudo é muito difícil, mas a gente tem que continuar lutando, persistindo”, disse ele.

Em 2016, Herderson retornou ao MAC com o sonho de jogar pela primeira vez como profissional em sua cidade, mas sua volta acabou sendo frustrante e ele deixou o Maranhão novamente. Desta vez se transferiu para o Barra Mansa (RJ), onde jogou uma temporada.

Experiência no futebol e na vida

Depois da passagem pelo futebol carioca, Herderson fecharia com um clube do Espirito Santo, mas uma proposta do futebol da Malásia surgiu e ele foi se aventurar na Ásia. Depois de uma temporada na equipe do UKM FC, ele diz que teve a oportunidade de jogar um futebol bastante diferente do que ele vinha jogando no Brasil.

“O futebol deles é de muita correria. Eles não têm muito padrão de jogo, mas eles têm resistência física a favor deles. Então onde a bola vai eles estão correndo atrás dela”, explicou.

Além da experiência em um mercado diferente no futebol mundial, o maranhense conta também sobre a bagagem cultural que acumulou. “Foi uma experiência muito boa. Eu pude aprender inglês, consegui fazer algumas amizades, conheci brasileiros que jogam lá. A Malásia é um país maravilhoso, uma cultura estranha para mim, mas muito linda”.

Após voltar da Malásia, Herderson Galvão acertou com o time Rio São Paulo e já fez seis jogos pela equipe na Copa Rio e na 3ª divisão do Campeonato Carioca. Apesar da pouca idade, ele já tem muita história para contar e o sonho continua.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte