Opinião | Artigo

O meu pai

11/08/2018

O meu pai, Raimundo Nonato Costa da Silva, porém só o chamavam Alim Silva (o motivo não sei), faleceu no dia 26 de maio de 1999. Em 10 de dezembro daquele ano, completaria 89 anos. Era lavrador. Residia no povoado Pau D’Água, limite entre os Municípios de Santa Quitéria e São Bernardo, no Maranhão. Trabalhava demais na roça, numa área de apenas 23 hectares. Não tinha relógio e, por isso, às vezes, esquecia-se do tempo. Assim, a mamãe o chamava bem alto: “Está na hora do almoço”! Lá vinha ele com a enxada nas costas e muito suado.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte