Alternativo | Finalização

Fernanda Montenegro participa de filme de Karim Aïnouz

Longa baseado em livro de Martha Batalha acabou de ser rodado esta semana no Rio de Janeiro; produção é ambientada nos anos 1950
05/07/2018
Fernanda Montenegro participa de filme de Karim AïnouzFernanda Montenegro em cena (Divulgação)

RIO DE JANEIRO - Fernanda Montenegro está no elenco do filme “A Vida Invísivel”, de Karim Aïnouz, que foi rodado esta semana, no Rio de Janeiro. Com produção de Rodrigo Teixeira, da RT Features, a livre adaptação do livro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, é um melodrama contemporâneo sobre sororidade , uma crônica da condição feminina nos anos 1950 no Rio de Janeiro, década marcada por um conservadorismo profundo. Fernanda e Carol Duarte interpretam Eurídice Gusmão em fases diferentes da vida.

No Rio de Janeiro dos anos 1950, as irmãs Guida (Júlia Stockler) e Eurídice (Carol Duarte) são como duas faces da mesma moeda– duas irmãs apaixonadas, cúmplices, inseparáveis. Eurídice, a mais nova, é uma pianista prodígio, enquanto Guida, romântica e cheia de vida, sonha em se casar e ter uma família. Um dia, com 18 anos, Guida foge de casa com o namorado.

Ao retornar grávida, seis meses depois e sem namorado, o pai, um português conservador, a expulsa de casa de maneira cruel. Guida e Eurídice são separadas para sempre e passam suas vidas tentando encontrar uma a outra, como se só juntas fossem capazes de seguirem suas vidas. Ao longo da história, revelam-se a vida adversa de mãe solo que Guida levou longe da família e o apagamento vivido por Eurídice, que acabou por abandonar o sonho de ser uma pianista profissional para se tornar uma dona de casa exemplar e satisfazer o marido e os pais.

Com roteiro assinado por Murilo Hauser e colaboração de Inés Bortagaray, além de Carol Duarte e Fernanda Montenegro, Júlia Stockler e Gregório Duvivier completam o elenco. Quem assina a fotografia do filme é Hélène Louvart, que foi fotógrafa dos longas “Pina”, de Win Wenders, “The Smell of Us”, de Larry Clark; e “As Praias de Agnes”, de Agnès Varda, entre outros.

Com coprodução do Canal Brasil e distribuição da Sony Pictures, o filme tem previsão de estreia em 2019. “Eu estou ciente de que as histórias particulares não necessariamente fazem bons filmes. Filmes são bons quando eles contam uma história ainda não contada, histórias que precisam ser contadas”, diz Karim Aïnouz.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte