PH

Pergentino Holanda

31/05/2018

Sem simpatia
Até sexta-feira da semana passada, quinto dia da greve dos caminhoneiros, notava-se no meio da população uma simpatia sincera pela greve da categoria. Entendia-se até então que eles lutavam por uma causa justa. Não aceitavam mais a política de reajuste de preços da Petrobras, com base na variação do preço do barril no petróleo no mercado internacional. Argumentavam que a Petrobras é uma empresa controlada pelo governo federal, e por esse motivo deve estar a serviço de todos os brasileiros e não apenas dos seus acionistas.
A maioria da população apoiou esse discurso e passou a solidarizar-se com o movimento, mesmo sendo prejudicada pela falta de combustíveis nos postos, e de frutas e verduras nos supermercados.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte