PH

Pergentino Holanda

19/04/2018

Tem índio na oca
Este abril indígena tem um toque todo especial. A vinda de um grupo de 13 índios da etnia Awa-Guajá, que habitam a floresta amazônica do Maranhão, na fronteira com o Pará, para o lançamento de um CD de cantos e da campanha Viva Awa Guajá! criada pela OCA – Oficina de Comunicação e Arte, para ajudar a contar a sua história de resistência e luta pela sobrevivência.
São índios de recente contato e considerados um dos povos indígenas mais ameaçados do planeta, autênticos guardiões da Amazônia maranhense, parte deles ainda perambulando pela floresta como um dos dez últimos povos caçadores coletores do planeta.
Segundo estimativas da Frente Etnoambiental Awa-Guajá, da Funai, existem hoje aproximadamente 800 índios, a maior parte vivendo em quatro áreas indígenas, protegendo um tesouro que é de toda a humanidade, afinal nas áreas por onde perambulam, nas Serras da Desordem e Tiracambu, estão alguns dos bancos florestais que permitiu a regeneração da Amazônia quando a terra voltou a se aquecer depois da última era glacial.
A mostra Viva Awa Guajá marca a abertura do espaço da OCA-Maranhão em São Luís e fica em cartaz até o fim de abril, com visitas agendadas através do site ocamaranhão. O lançamento do CD será hoje, Dia do Índio, às 19hs, na Praia Grande.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte