Política | Caso Mariano

Enquanto Dino diz que carta é falsa, advogado confirma a veracidade

Governador usou as redes sociais para dizer que as cartas atribuídas a Mariano de Castro são falsas; enquanto o advogado do confirma que carta denúncia foi escrita pelo médico
Carla Lima/Subeditora de Política18/04/2018 às 13h49
Enquanto Dino diz que carta é falsa, advogado confirma a veracidadeCarta-despedida de Mariano de Castro confirma a carta-denúncia que o advogado Zé Carlos garante que foi escrita pelo médico, mas mesmo assim, governador Flávio Dino garante que são falsas (Divulgação)

Nas redes sociais, o governador Flávio Dino (PCdoB) falou a respeito das cartas atribuídas ao médico Mariano de Castro, encontrado morto, em uma apartamento em Teresina, Piauí. Segundo o gestor, as cartas são falsas.

O que causa estranheza na declaração do comunista é que não há bases técnicas para ele ou qualquer outro aliados ou auxiliar seu afirmar que as cartas não foram escritas pelo médico, que é acusado pela Polícia Federal de ser o operador de um esquema de desviou da saúde do Maranhão mais de R$ 18 milhões.

Esta é a terceira estratégia usada pelo Palácio dos Leões para desqualificar a carta-denúncia atribuída ao médico. A primeira tentativa foi de tentar tornar crime a divulgação da carta.

Os comunistas, usando redes sociais, tentaram relacionar o suicídio do médico com a divulgação da carta. A estratégia não colou.

Depois, o governo tentou dizer que a carta era falsa, mas devido a primeira estratégia, acabou sendo desqualificada já que se a carta era falsa, não poderia ser a divulgação desta o motivo do suicídio de Mariano de Castro.

Mais recentes, os governistas chegaram a dizer que as letras são diferentes quando comparada as duas cartas.

Existência - O que há de fato, são as declarações do advogado José Carlos Sousa confirmando que a carta denúncia é verdadeira.

Durante entrevista a uma rádio local, o advogado disse que tinha a carta, mas que depois entregou a um cunhado de Mariano de Castro. Segundo Zé Carlos, não partiu dele a divulgação do documento.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte