Polícia | Investigação

Técnicos do Seripa investigam queda de aeronave em Rosário

Acidente ocorrido domingo causou a morte de todos os ocupantes do helicóptero: três médicos e o piloto; corpos das vítimas foram velados ontem e sepultados à tarde em cemitérios da região metropolitana, em clima de comoção
Ismael Araújo03/04/2018
As vítimas do acidente com o helicóptero, que será investigado pelo Seripa

SÃO LUÍS - Os investigadores do Primeiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa I), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), estão desde ontem em Rosário para investigarem a queda da aeronave de modelo Robinson R44 de matrícula PP-WVR, fato ocorrido na tarde de domingo, 1º. O acidente ocorreu no povoado Nambuaçu de Cima, zona rural de Rosário, que resultou na morte dos médicos, José Cleber Luz Araújo, Jonas Eloi da Luz e Rodrigo Capobiongo Braga, e do piloto do helicóptero, o policial civil e ex-integrante do Centro Tático Aéreo (CTA) Alfredo Oliveira Barbosa Neto.

Milhares de pessoas lotaram sede da CRM para o velório dos médicos

O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica informou que os investigadores da Seripa I já se encontram no Maranhão desde ontem. No primeiro momento o trabalho objetiva coletar dados sobre o acidente. Eles vão fotografar os destroços, retirar partes da aeronave para serem analisado, reunir documentos e ouvir relatos de pessoas, que possam ter observado a sequência do acidente.

Ainda segundo a Aeronáutica, a necessidade de descobrir todos os fatores contribuintes garante a liberdade de tempo para a investigação. A conclusão de qualquer investigação conduzida pelo Cenipa terá o menor prazo possível, mas isso depende sempre da complexidade do acidente. O objetivo da investigação realizada pelo Cenipa é prevenir que novos acidentes com características semelhantes não voltem a ocorrer no país.

Também, ontem, peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) de São Luís foram deslocados para Rosário. De acordo com as informações do delegado regional daquela cidade, Murilo Tavares, os técnicos do Icrim farão a perícia no local do acidente e o resultado será encaminhado para a Polícia Civil.

O delegado informou que ainda ontem ouviu um morador do povoado Nambuaçu de Cima que teria visto o acidente. “Essa testemunha é de suma importância para tirar as dúvidas sobre a queda dessa aeronave”, explicou Murilo Tavares.

Problema anterior

Essa mesma aeronave já havia tido um pane no motor em novembro de 2011e no momento era pilotada pelo policial civil Alfredo Neto que conduzia três passageiros. O helicóptero havia saído de São Luís com destino à praia de Camocim, no estado do Ceará.

A aeronave devido ao problema fez o pouso forçado na praia de Atalaia, na cidade de Luís Correa, no Piaui. Não houve registro de feridos. Inclusive, a direção do aeroporto da cidade piauiense de Parnaíba foi informada dessa ocorrência.

A aeronave de modelo Robinson 44 é muito utilizada no país. Segundo o Cenipa, corresponde por quase um terço dos casos de acidente aéreo nos últimos 10 anos. De 2008 até 2017, foram 56 acidentes com 22 mortes envolvendo esse tipo de aeronave, ocasionado por perda de controle em voo e colisão em voo com obstáculos.

Velório

Várias pessoas compareceram ao velório coletivo dos médicos, José Kleber, Jonas Eloi e Rodrigo Capobiongo, ocorrido ontem na sede do Conselho Regional de Medicina, no Jardim Renascença. O enterro ocorreu no período da tarde em cemitérios da Região Metropolitana de São Luís. Já o corpo de Alfredo Neto foi velado na Igreja Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, na Cohab, e o sepultamento no cemitério Jardim da Paz, na Estrada de Ribamar.

O Estado e a Prefeitura de São Luís emitiram notas de pesar e solidariedade. Segundo a nota, o Governo expressa seu pesar e profunda solidariedade aos familiares, amigos e pacientes que partilham a dor pela precoce partida das vítimas, que dedicaram parte de suas vidas aos cuidados com o próximo.

O Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol-Ma) também emitiu nota de pesar. A direção do sindicato lamentou profundamente o acidente ocorrido com a aeronave, que ceifou a vida de todos os seus ocupantes, entre eles dois integrantes da Polícia Civil do Maranhão, o policial civil e piloto, Alfredo Oliveira Barbosa Neto, e o policial civil, médico legista de Imperatriz, Rodrigo Capobiango Braga.

Ainda segundo a nota, o Sinpol-Ma também solidariza com a dor dos companheiros de serviço da Polícia Civil que tanto zela pelo bem-estar e segurança da sociedade maranhense, e dos familiares dos médicos Jonas Eloi da Luz e do cirurgião Kleber Luz, e manifesta extremosas condolências aos parentes e amigos dos passageiros.

O Conselho Regional de Medicina do Maranhão (CRM-MA) também lamentou as mortes e os amigos das redes sociais escreveram mensagem. “Vamos nos lembrar sempre desse profissional dedicado, que estava sempre com um sorriso no rosto alegrando nosso ambiente de trabalho”, postou uma internauta ao médico José Kleber.

"Profissional, amigo, ser humano maravilhoso, sentiremos sua falta, sua agilidade no proceder e no ajudar ao próximo, somos prova disto", escreveu outra internauta.

O acidente

O delegado Murilo Tavares informou que a aeronave era particular e as vítimas vinham de Barreirinhas com destino a São Luís. Segundo ele, o helicóptero acabou pegando fogo no ar, bateu em uma árvore e caiu, causando a morte de seus ocupantes.

Os corpos das vítimas foram resgatados por uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar e levados para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, onde foram periciados e identificados e logo depois liberado para os familiares.

Também há informações de que a aeronave vinha do município de Lima de Campos e no momento do acidente chovia muito na Região do Munim, fazendo com que o helicóptero colidisse em uma árvore e pegou fogo.

Frase

“Essa testemunha ouvida ontem é de suma importância para tirar as dúvidas sobre a queda dessa aeronave”.

Murilo Tavares, delegado regional de Rosário

Entenda

Ficha técnica da aeronave de modelo Robinson R44

Aeronave: monomotor

Velocidade de cruzeiro: 215 km/h

Velocidade máxima: 240 km/h

Autonomia: 3h20

Alcance: 555 km

Capacidade de combustível: 176 litros

Capacidade: 2 passageiros + piloto

Comprimento: 9 metros

Envergadura: 10 metros

Preço: pode chegar a até R$ 1,1 milhão (seminovo)

Peso (vazio): 657,7kg

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte