Editorial

Crise e mudança de hábitos

07/03/2018

Não há como negar que a crise financeira atingiu o brasileiro em cheio e mudou hábitos, rotinas, planos, projetos de uma vida inteira. Numa escala crescente, há o time dos que reprogramaram os gastos, cortaram despesas, perderam investimentos, substituíram marcas de produtos usados e até os que ficaram sem rendimentos salariais com o aumento do desemprego.
Agora, pesquisa do do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) comprova essa mudança e a traduz em números. Segundo dados do levantamento, um total de 72%, a maioria dos brasileiros, mudou a rotina financeira por causa da crise econômica.
Entre os que afirmaram ter mudado seus hábitos financeiros, 51% buscaram economizar nos serviços de luz, água e telefone, pensando no valor da conta; 46% adotaram a substituição de produtos por marcas similares mais baratas; 44% passaram a controlar os gastos pessoais e/ou da família; e 43% passaram a evitar parcelamentos muito longos.
Só 19% garantem não ter feito mudanças. Outro detalhe é que oito em cada dez consumidores pretendem manter os hábitos caso a crise que o país atravessa seja resolvida ainda neste ano. De acordo com a pesquisa, o orçamento mais curto fez com que muitas famílias brasileiras modificassem a rotina de compras, além de repensar algumas de suas prioridades.
55% dos brasileiros usam de cautela extra, evitando o consumo de produtos supérfluos. O percentual aumenta para 68% entre os mais velhos e 69% entre os pertencentes às classes A e B.
Parcela de 55% reduziu os gastos com lazer. Um total de 54% passou a fazer pesquisas de preço antes de adquirir um produto e 52% ficaram mais atentos às promoções de produtos, buscando preços menores. Com a crise econômica, diminuiu o hábito de poupar ao menos uma parte dos rendimentos, o que só foi mencionado por 26% dos entrevistados.
Para se ter uma ideia, 42% sentiram alívio e tranquilidade por não estourar o orçamento, enquanto 36% relatam alegria por conseguir manter pelo menos o essencial. Do outro lado, 32% mencionam frustração por deixar de comprar certos produtos de que gostam e 31% fazem referência à limitação de querer comprar e não poder. Para completar, 21% se sentem constrangidos por não poder dar para família o que eles desejam.
Como contraponto, 83% pretendem manter os hábitos que adquiriram durante a crise nacional mesmo que a situação do país melhore em 2018. Somente 8% pretendem abandoná-los. Esse dado não é de todo ruim, se é que se pode tirar algo bom de uma crise - foram quase três anos consecutivos de recessão violenta, que se estendeu de meados de 2014 ao final de 2016. Eis que esse pode ser considerado um grande ensinamento.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte