Edição Digital

Cidades | Carnaval

Foliões se divertem no Sábado Gordo de Carnaval em São Luís

A festa começou à tarde e avançou pela noite no bairro Madre Deus; na Passarela do Samba, os blocos tradicionais mostraram o colorido de suas fantasias
10/02/2018 às 22h54

São Luís - A folia tomou conta de São Luís neste Sábado Gordo de Carnaval (10). Os foliões deixaram a tristeza em casa e correram atrás dos blocos e de outras manifestações nos trechos onde os grupos fizeram suas apresentações. Um dos pontos de maior concentração de gente foi a Praça da Saudade, no bairro Madre Deus, que recebeu blocos afros, tradicionais, organizados e alternativos.

Entre os tradicionais, Os Guerreiros do Ritmo levou o colorido das fantasias e adereços e convidou o público a entrar na cadência das retintas e contratempos. A cantora Célia Sampaio (conhecida por levantar a bandeira do reggae no Maranhão) era uma das mais animadas e, com um grupo de amigos, prestigiou a evolução dos Guerreiros do Ritmo.

Célia disse que participará da festa até a Terça-Feira Gorda e desfilará nos blocos Akomabu e do Reggae. "O Carnaval está ótimo e gostaria de convidar a todos para entrar nos cordões dos blocos afros e do Bloco do Reggae, que passa pelo Circuito Beira-Mar na noite deste domingo (11)", convidou.

Na Passarela do Samba, no Anel Viário, foram os blocos tradicionais do Grupo A que deram o tom da festa. O primeiro a ser anunciado pelo locutor Frank Matos (que este ano despede-se do trabalho de mais de quase quatro décadas de locução no Carnaval de São Luís) foi o Bloco da Apae. "Participamos da festa, mas não entramos na competição. Viemos para mostrar, mais uma vez, que o deficiente tem potencial, talento e criatividade", destacou Manoel Cordeiro, coordenador da agremiação.

Do Bairro de Fátima, o bloco Os Fênix foi o segundo a se apresentar, levando o tema "Um guerreiro de liberdade". Os Coringas, do bairro Vila Bessa, foi o terceiro, e fez uma homenagem às flores. Os brincantes usaram desodorizadores de ar para perfumar a avenida. "Ano passado, ficamos em segundo lugar e este ano viemos para brigar pela primeira colocação", disse o mestre de bateria Anderson Railton.

Corte Momesca

A apresentação dos blocos tradicionais na Passarela do Samba do Anel Viário foi antecedida por um animado desfile da Corte Momesca, formada pelo Rei Momo Danilo Ferreira e pela rainha Nyna Gracyelle, além das princesas Rayane Moraes e Natália Silva. A Corte Momesca da Terceira Idade, formada por Donato Livramento (Rei Momo), Dalva Leite (rainha) e Juliana Santos (princesa) também participou da festa na passarela.

"Constituir a Corte da Terceira Idade é uma maneira que encontramos de estimular o poder público a elaborar políticas públicas de valorização do idoso e, ao mesmo tempo, de mostrar que eles podem sair de casa para se divertir normalmente, desde que isto seja feito de uma maneira planejada e com cuidado", frisou Amara Lucena, produtora cultural e coordenadora da Corte.

No Largo do Caroçudo, além do show da banda Deusas de Olurum, o público entrou no ritmo dos blocos afros Netos de Nanã e Akomabu, do organizado Os Liberais, e das tribos indígenas Tupiniquins e Kamayurá. Pela Vila Gracinha (um dos pontos de encontro de blocos e outras manifestações) passaram "Os Fuzileiros da Fuzarca", um dos mais antigos do Maranhão, e os alternativos Tôa Tôa e Só Safados, entre vários outros.

Enquanto uns se divertiam, de olho nos blocos, outros trabalhavam, de olho nos foliões consumidores. Sheila Amorim, moradora do bairro São Raimundo e que estava comercializando bebidas na Praça da Saudade, contou que pretende contabilizar R$ 800,00 até o fim do Carnaval. Segurando uma placa onde anuncia a promoção da noite, ela vai conquistando a clientela. "Estou no bloco dos vendedores desde as prévias, mas começou na área da Fonte do Ribeirão. Agora, optei pela Praça da Saudade porque é mais tranquilo", disse.

Janaína Cerveira, que é moradora da Madre Deus, apostou na venda de artigos como tiaras e colares havaianos. "Mas até agora estou achando mais fraco do que no ano passado. Achei que teria mais gente aqui", lamentou.

Galeria de fotos

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.