Cidades | Adequação

1.825 edificações notificadas por equipamentos de segurança

Questões como a falta ou a inoperância de para-raios, extintores, hidrantes, mangueiras, entre outros, ou documentação vencida, foram observadas durante as vistorias realizadas nos estabelecimentos; dados são referentes ao ano de 2017
Daniel Júnior 30/01/2018
1.825 edificações notificadas por  equipamentos de segurançaCasos de equipamentos de segurança vencidos ou inoperantes foram detectados em edificações (Paulo Soares / O Estado)

1.825 edificações foram notificadas pelo Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA), em São Luís, no ano de 2017, por não apresentarem o Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio em conformidade com os critérios de segurança estabelecidos pelo Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico (Coscip), criado pela Lei Estadual nº 6.546 de 29 de dezembro de 1995.
Os dados foram divulgados ontem pela Diretoria de Atividades Técnicas do CBM (DAT).

Problemas como a falta ou a inoperância de itens de segurança, como para-raios, extintores, hidrantes, mangueiras, entre outros, ou documentação vencida, foram encontrados durante as vistorias realizadas. “Quando notificamos uma edificação, e dependendo da sua construção, o proprietário tem de 30 a 60 dias para regularizar ou atualizar o projeto de Prevenção e Combate a Incêndio. Caso não cumpra as orientações em tempo hábil, fica sujeito a multa e, inclusive, pode ter o estabelecimento interditado”, explicou Celso Alves, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão.

Para-raios
Para-raios, por exemplo, é um dos itens de segurança exigidos no Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio. De acordo com dados do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Elat/Inpe), o Maranhão ocupa o quarto lugar no ranking dos estados brasileiros onde ocorre a maior incidência de raios, ficando atrás dos estados do Acre, Amazonas e Tocantins.

Conforme o Coscip, em edificação com mais de 1.500 m² de área construída; com mais de 30 m de altura; áreas destinadas a depósitos de explosivos ou inflamáveis, e em casos a critério do Corpo de Bombeiros, é exigida a instalação do sistema para-raios.

O Corpo de Bombeiros não soube precisar o número de edificações que foram notificadas em São Luís, no ano passado, por não apresentarem o dispositivo de para-raios operante. “Bairros de São Luís, como Renascença, Cohafuma, Calhau e Ponta d’Areia, possuem um alto número de prédios ou outro tipo de edificação com mais de 30m de altura. Nessas localidades, devemos ficar mais atentos em relação ao item para-raios”, ressaltou Alves.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, antes de uma edificação ser construída, deve ser apresentado o Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio, até mesmo para ter autorização. “Esse projeto é importante, porque proporciona a segurança das pessoas que circulam nesse ambiente. O laudo do Corpo de Bombeiros leva em consideração a particularidade de cada edificação, como o tamanho e largura, por exemplo”, finalizou.

SAIBA MAIS

O Projeto de Prevenção e Combate a Incêndio é composto pelos seguintes itens de segurança: extintores, mangueiras, hidrantes, gás GLP, iluminação de emergência, escada enclausurada (para isolar o indivíduo da fumaça e do calor), elevadores, bombas e o sistema de proteção contra descargas atmosféricas (para-raios), entre outros, de acordo com a necessidade de cada edificação.

Fonte: Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBM-MA).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte