Cidades | Descaso e falta de educação

Transtornos: lixo é descartado em rua no Jardim São Cristóvão

A Rua Bom Jesus está tomada por sujeira, como animais mortos, restos de comidas, colchão, carcaça de TV, entre outros; bichos peçonhentos que são atraídos para o local
Daniel Júnior / O Estado29/01/2018

SÃO LUÍS - Resultado do descarte irregular, um lixão a céu aberto composto por todo o tipo de resíduo está causando transtornos e mau odor para quem mora e circula na Rua Bom Jesus, no Jardim São Cristóvão I, em São Luís. No local, tem até uma placa informando para não jogar lixo. Durante reportagem no último sábado, 27, O Estado registrou na área, animais mortos, comidas estragadas, colchão, carcaça de TV, galhos de árvores, papelão e livros em bom estado de conservação.

Devido à sujeira, que toma conta de diversos trechos da Rua, animais peçonhentos, como ratos, e insetos são atraídos para o local. Populares que moram na redondeza reclamam da situação precária.

O conferente Douglas Garcês Morroi, de 26 anos, se sente incomodado. “Esse lixo amontoado pode trazer doenças pra todos nós que constantemente circulamos por aqui. O mau cheiro causa incômodo. O carro do lixo passa aqui e às vezes recolhe toda sujeira, mas a própria população não contribui e continua jogando resíduo aqui”, relatou Morroi.

A atendente Jaciara Sousa Silva, de 27 anos, disse que passa pela Rua Bom Jesus todos os dias e está indignada com a grande quantidade de lixo acumulado e a fedentina. “Fico muito incomodada com o cheiro de animais mortos e comida podre. A Prefeitura demora para recolher. Mas, mesmo limpando, a população continua descartando lixo. Tem gente que vem de fora jogar entulhos aqui”, ressaltou Silva.

Limpeza
Sobre o acúmulo de lixo na Rua Bom Jesus, no bairro São Cristóvão, o Comitê Gestor de Limpeza Urbana informou que a limpeza da área será realizada esta semana. O órgão frisou ainda que os resíduos acumulados na via citada, são resultado do descarte irregular, pois a coleta no bairro acontece regularmente.

O comitê pediu o apoio dos moradores do bairro para que façam o descarte dos resíduos e que os mesmos sejam acondicionados em sacos plásticos, na frente do seu respectivo domicílio, nos dias e turnos em que passa o caminhão de coleta, evitando o descarte nos demais dias da semana, o que causa o acúmulo de lixo nas vias públicas, atraindo animais e provocando mau-cheiro.

O órgão informou também que materiais recicláveis e resíduos não coletados através do serviço de coleta convencional, como resíduos de construção civil e restos de poda e capina, devem ser descartados em um dos nove Ecopontos já em funcionamento na capital. Os Ecopontos funcionam das 7h às 19h, de segunda-feira a sábado e a população pode fazer o descarte por meio de carroceiros, carros de mão e pickups. Os Ecopontos ficam localizados na Avenida dos Africanos, Bequimão, Angelim, Habitacional Turu, Jardim Renascença, Residencial Esperança, Jardim América, Cidade Operária e São Francisco.

Por fim, o comitê ressaltou que reforçará o monitoramento no bairro, buscando identificar a origem de descargas irregulares e possíveis falhas na coleta. Denúncias ou reclamações podem ser realizadas através da Central de Atendimento: 0800 098 1636.

VEJA:

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte