Estado Maior

Governo loteado

20/01/2018

O governador Flávio Dino (PCdoB) perdeu qualquer tipo de pudor que ainda pudesse ter em matéria de articulação para se manter no poder. A negociata aberta que manteve para que o DEM maranhense se agrupasse ao seu projeto de reeleição foi uma escancarada prática de fisiologismo e aparelhamento partidário da máquina administrativa. Uma espécie de compra partidária às custas do dinheiro público.
Flávio Dino disse para todo mundo ouvir - com direito a matérias produzidas pela própria Secretaria de Comunicação do governo - que estava dando ao DEM o controle do Funbem, um fundo de servidores públicos, e suas mais de duas dezenas de cargos. Em troca, o partido iria apoiar a reeleição do comunista e filiar quem ele bem indicasse.
Eleito com o discurso da mudança e da esperança, o governador comunista mostrou-se, desde cedo, um fisiologista capaz de lotear o governo a qualquer um que quisesse jogar loas ao seu projeto, não importando a origem ou o cacife do tal elogiador.
O resultado, quatro anos depois, é um Maranhão capenga, com índices de desemprego nas alturas, queda do Produto Interno Bruto (PIB) e a geração de mais de 300 mil novos miseráveis, exatamente aquilo que o comunista jurou mudar durante a campanha de 2014.
Mas o que parece importar para o atual inquilino do Palácio dos Leões é o seu projeto de se manter encastelado no governo pelos próximos quatro anos. Pouco importa a ele quem vai pagar a conta desta aventura.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte