O Mundo | Derrocada do califado

Estado Islâmico perdeu território na Síria e no Iraque em 2017

Apesar de derrota territorial, EI deve continuar atuando no Oriente Médio e inspirando ataques em países ocidentais
31/12/2017 às 07h00

IRAQUE - O ano de 2017 foi de derrotas marcantes para o Estado Islâmico (EI). Três anos após o grupo extremista declarar um califado nas vastas áreas que controlava na Síria e no Iraque, os dois países não têm mais cidades dominadas pelos jihadistas. Mas isso não significa o fim do grupo ultrarradical, que ainda deve continuar realizando ataques terroristas.

No dia 7 de dezembro, a principal aliada do regime sírio na guerra civil, a Rússia, que lançou uma campanha aérea contra o EI em 2015, declarou que o país de Bashar Al-Assad está totalmente livre dos combatentes do grupo. Em 21 de dezembro, o governo americano indicou que algumas pequenas áreas da Síria ainda estão sob domínio do grupo e podem levar alguns meses para serem liberadas.

O governo do Iraque, por sua vez, anunciou em 9 de dezembro o fim de qualquer domínio dos jihadistas no país, após uma ofensiva para expulsar os últimos combatentes em áreas desérticas. A ofensiva militar nos dois países contou com o apoio de bombardeios aéreos da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

O que é o Estado Islâmico

Grupo radical sunita, um dos ramos do Islamismo, regido pelo autoproclamado califa (sucessor de Maomé) Abu Bakr al-Bagdadi. Chegou a dominar áreas do Iraque e da Síria, impondo uma visão radical e distorcida do Islamismo. Foi criado a partir do braço iraquiano da Al-Qaeda, mas os movimentos romperam em 2014. Seu surgimento veio com a queda de Saddam Hussein no Iraque, e o grupo cresceu com a guerra da Síria, quando os membros do EI se juntaram a rebeldes para lutar contra Bashar al-Assad.

As principais derrotas territoriais do EI neste ano incluem as cidades de Mossul, no Iraque, de onde o líder Abu Bakr Al-Baghdadi fez a proclamação do califado em 2014, e Raqqa, na Síria, que foi considerada a “capital” do território.

“É um recuo importante para o grupo, uma queda importante de seu poderio, que acaba afetando inclusive a capacidade de atrair novos militantes e toda a atenção que conseguia quando era dona de um vasto território entre a Síria e o Iraque”, diz ao G1 Arlene Clemesha, professora de história árabe da Universidade de São Paulo (USP). Segundo ela, no entanto, o enfraquecimento ocorrido em 2017 não significa que o grupo não seja capaz de atuar de outras formas.

“O grupo tem sua origem na Al-Qaeda. Então já atuou mais como uma rede sem a característica que tem hoje, de conquista territorial, e pode voltar a exercer um papel de um grupo que não é dono de um território, mas que atua através de atentados, propaganda, internet, formação de células terroristas”, acrescenta.

De acordo com a agência de notícias Associated Press (AP), o grupo ainda tem células de militantes que atuam em segredo nos dois países, além de grupos afiliados presentes em países como Egito, Líbia, Afeganistão, Filipinas e na África Ocidental. Segundo as últimas estimativas da coalizão internacional, restam menos de 3 mil combatentes do EI nos dois países.

“A partir desses grupos e de militantes próprios eles podem e certamente irão atuar como redes clandestinas mais ao modo da Al-Qaeda, realizando atentados principalmente em países onde já estiveram fortes, mas também fora da Síria e do Iraque e do próprio Oriente Médio”, diz Arlene.

Propaganda ativa

O EI mantém ativo o seu braço de mídia e propaganda on-line e, como consequência, sua capacidade de inspirar seguidores para promover atentados não só em países da região, como também do Ocidente. No último ano, essa propaganda motivou mais ataques e ameaças de ataques na Europa, segundo mostra um estudo do Institute for the Study of War, com sede em Washington.

“O EI parece inspirar cada vez com mais sucesso pequenos ataques na Europa, apesar de suas perdas territoriais, indicando que sua mensagem ainda é ressonante. A campanha na Europa vai continuar e pode até crescer apesar de suas perdas no Iraque e na Síria”, diz o relatório.

Em 2017, além de promover ataques no Afeganistão, Paquistão, Irã e Egito, o grupo reivindicou uma série de atentados na Europa e nos EUA.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte