Cidades | Mudança no cenário

Elevação de índices pluviométricos pode alterar balneabilidade da Ilha

Impurezas contidas em rios e lagos que desaguam no mar são apontados como fatores que deverão modificar os números de pureza das águas; primeiras chuvas começaram a cair sobre a Ilha de São Luís, anunciando o período chuvoso
Thiago Bastos / O Estado26/12/2017
Elevação de índices pluviométricos pode alterar balneabilidade da IlhaCom a chegada das chuvas, as impurezas escorrem para o mar, deixando as águas impróprias para banho (Paulo Soares / O Estado)

A alteração dos índices pluviométricos que, de acordo com as previsões do Núcleo de Meteorologia da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), deverão ter acréscimos de aproximadamente 99% no próximo trimestre (janeiro/fevereiro e março) de 2018 em comparação com o trimestre setembro/outubro e novembro de 2017, é apontada como fator que poderá modificar o quadro positivo das praias de São Luís. Especialistas entendem que, com as chuvas, as impurezas de rios e lagos serão empurradas para o mar, o que mudará o índice de pureza das águas.

Atualmente, de acordo com o último levantamento divulgado no dia 21 deste mês pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), dois pontos - dos 21 monitorados - da orla da Região Metropolitana de São Luís, estão impróprios para banho. De acordo com a pasta, os trechos vetados para banho são: em frente ao Edifício Herbene Regadas e em frente ao Hotel Brisa Mar. Ambos os trechos estão na Praia da Ponta d´Areia.

Em agosto deste ano, em entrevista a O Estado, o cientista ambiental Márcio Vaz apontava que, com a queda - até então - no percentual de chuvas na cidade, a quantidade de impurezas carregadas pela enxurrada diminuiria. A partir de agora, ele prevê cenário oposto com o início das chuvas. “Na verdade, a relação não é direta com as temperaturas, mas com o volume de chuvas, já que os rios e lagos estagnam e as impurezas não são levadas ao mar, no caso de estagnação das chuvas.

Este processo se inverterá completamente quando as chuvas começarem”, explicou.
O cientista frisa, neste caso, que a relação entre o percentual de chuvas e os dados de pureza do mar existe, inclusive, em países do primeiro mundo, cujas condições sanitárias (em tese) são consideradas mais favoráveis. “Não é uma exclusividade de São Luís este processo. Ele está presente em territórios com estruturas urbanas mais desenvolvidas”, frisou.

Critérios
Segundo a Sema, para ser considerado impróprio, o trecho da orla deverá contar um valor (a partir das coletas feitas nos dias anteriores) superior a 2.00 coliformes fecais por 100 mililitros de água. De acordo com a pasta, para o recolhimento destes dados, foram usados métodos fixados na Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) nº 274.

Questionamentos
Em outubro do ano passado, durante audiência pública - liderada por deputados estaduais, dentre eles, Adriano Sarney (PV) - na Assembleia Legislativa do Maranhão (AL), o Governo do Estado (por meio das direções da Sema e da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão) foi cobrado sobre os métodos usados para a elaboração dos laudos. Estes métodos foram também alvos de críticas por pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

O Governo informou, sobre as ações que vem sendo executadas para melhorar os índices de balneabilidade, que o programa Mais Saneamento está retirando pontos de esgoto em rios e na Lagoa da Jansen. Além disso, segundo o Governo, a iniciativa possibilitou a implantação e a substituição de redes de esgoto “consideradas defasadas há anos na Região Metropolitana”.

O Governo reforçou ainda que trabalha na construção de estações de tratamento de esgoto, das redes coletoras e das estações elevatórias.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte