Política | Desvio de dinheiro

Termina hoje prazo de prisão dos envolvidos na Operação Pegadores

Entretanto, essa prisão poderá ser prorrogada caso a justiça atenda o pedido Ministério Público Federal
Carla Lima/Subeditora de Política21/11/2017
Termina hoje prazo de prisão dos envolvidos na Operação Pegadores

Termina hoje o prazo de prisão temporária dos 14 presos pela Polícia Federal na Operação Pegadores, que desbaratou um esquema de desvio de dinheiro público do Fundo Nacional de Saúde vindos para o Governo do Maranhão. Entretanto, os envolvidos podem permanecer presos pois o Ministério Público Federal (MPF) entrou com pedido de prorrogação da prisão.

A prisão temporária é de cinco dias. Conforme decisão da Justiça Federal que determinou a prisão de 17 pessoas acusadas de participar de esquema que já desvio mais de R$ 18 milhões da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Entre os presos está a ex-subsecretária de Saúde do governo de Flávio Dino, Rosângela Curado (PDT).

Dentro do prazo, a prisão termina nesta terça-feira, 21. No entanto, pode haver uma prorrogação do tempo de detenção devido a um pedido feito pelo MPF para prorrogar a permanência de Rosângela Curado e mais 13 presos até o momento na prisão.

A ação do Ministério Público foi impetrada ontem na Justiça Federal, no fim da tarde. Até o fechamento desta edição, os autos já estão conclusos para manifestação da juíza responsável pelo processo, Paula Moraes, mas sem qualquer decisão a respeito da magistrada.

O caso – Depois da divulgação de um contracheque da enfermeira Keiliane Silva, em que constava o recebimento de R$ 13 mil sendo pouco mais de R$ 3 mil de salário e mais de R$ 9 mil de gratificação, o MPF iniciou uma investigação sobre esses salários altos pagos dentro do Sistema de Saúde do Maranhão.

As investigações do MPF e também da Polícia Federal apontaram que mais funcionários da SES e também das entidades que geriram unidades hospitalares no Estado ganhavam gratificações.

Ao cruzar dados, que passou até pela Receita Federal, a PF chegou à conclusão de que existiam 424 funcionários que recebiam das Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Ocips), mas sem trabalhar nas unidades hospitalares no interior do Maranhão.

Segundo a PF, em diálogo interceptado com autorização da Justiça entre o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, e o presidente do Instituto de Cidadania e Natureza (ICN), Benedito Silva, os funcionários que recebiam por meio de uma folha complementar da Ocips faziam parte do quadro de funcionários da SES.

Ainda segundo as investigações, a folha complementar repassada para o ICN chegou ser de R$ 400 mil mensal.

Pelo que investigou a PF, que comanda o esquema era a ex-subsecretária de Saúde de Flávio Dino, Rosângela Curado. Ela exerceu o cargo de janeiro a setembro de 2015, mas mesmo fora conseguia ainda usar de influência política para desviar verba pública da Saúde.

Segundo a PF, os atos ilícitos de Curado, que envolviam mais pessoas incluindo Mariano Castro Silva, que estava nomeado na SES, ocorreram ainda em 2016 e também março deste ano.

Confira a lista dos presos da PF na Operação Pegadores:

Antônio José Matos Nogueira

Chisleane Gomes Marques

Mariano de Castro Silva - comandante do Samu em Caxias

Luiz Marques Barbosa Júnior

Rosângela Aparecida da Silba Barros - Rosângela Curado

Antonio Augusto Silva Aragão

Benedito Silva Carvalho

Flávia Geórgia Borges Gomes

Ideide Lopes de Azevedo Silva

Marcus Eduardo Alves Batista

Miguel Marconi Duailibe Gomes

Osias de Oliveira Santos Filho

Paulo Guilherme Silva Curado

Péricles Silva Filho

Waldeney Francisco Saraiva

Warlei Alves do Nascimento

Karina Mônica Braga Aguiar

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte