Cidades | Dia de Finados

Familiares iniciam homenagens a falecidos em cemitérios da Ilha

Para evitar aglomerações, muitas pessoas optaram por visitar os cemitérios da Ilha na véspera do Dia de Finados; as vendas do comércio informal ainda eram consideradas fracas ontem, mas a expectativa era de melhora hoje
02/11/2017

SÃO LUÍS - O Dia de Finados, hoje, é reservado àqueles que já se foram. É um dia de muitas lembranças e emoções. O movimento nos cemitérios da Ilha de São Luís é grande. Entretanto, há quem prefira antecipar as visitas aos jazigos, para evitar aglomerações.

Ontem, 1º, a movimentação de pessoas nos cemitérios da capital já era intensa. Parentes realizaram limpeza e manutenção e fizeram orações diante dos túmulos. Lembranças foram revividas e muitas histórias, contadas.

A jovem Lícia Rosa, que perdeu seu pai há sete anos, preferiu ir ao cemitério ontem. Segundo ela, ir um dia antes sempre garante a tranquilidade, porque no Dia de Finados é quase impossível transitar no cemitério. “Prefiro vir hoje, porque posso ficar por horas aqui, sem me preocupar com pessoas passando a todo momento. E já que vim hoje, aproveito para limpar o túmulo do meu pai, com calma”, disse.

Maria Ilda Batista também resolveu visitar o túmulo de seu marido um dia antes. Para ela, é um dia muito especial, pois acredita que a limpeza é uma forma de, mesmo depois da morte, demonstrar seu amor. “Eu cuido do túmulo do meu marido e sogros, que estão aqui. É uma forma de reviver a memória deles”, comentou.

Venda informal

Nos cemitérios, além da movimentação de pessoas visitando os túmulos, há também grande quantidade de vendedores informais. A venda de coroas de flores, jarros, velas e lanches já é comum nos dias que antecedem o Dia de Finados. A vendedora Elen Cristina contou que as vendas estavam fracas, mas esperava que hoje melhorasse.

Para garantir a segurança de quem vai ao cemitério hoje, cerca de 200 policiais foram escalados para atuar durante o feriado. Segundo o coronel Pedro Ribeiro, comandante do CPM 1, os policiais utilizam para deslocamento viaturas e motos, além também da cobertura feita a pé. O comando de Polícia garantirá a segurança nos cemitérios da região metropolitana e rural, entre eles públicos, privados e com maior número de visitantes, como o do Gavião, no Centro, e o Parque da Saudade, no Vinhais.

Para que não haja congestionamentos no trânsito da capital, a Secretaria Municipal de Transito e Transporte (SMTT) fará uma ação hoje, nas proximidades dos cemitérios.

A SMTT destaca agentes para os pontos com maior número de pessoas, como no entorno dos cemitérios do Gavião, Parque da Saudade e do São Cristóvão. A organização no trânsito se inicia às 6h, indo até o fim do dia. Para quem vai se deslocar de ônibus, a SMTT informou que eles circularão normalmente durante todo o dia.

SAIBA MAIS

Finados, ou dia de Finados é o dia criado para honrar e lembrar as pessoas que já faleceram. Esta homenagem é feita no dia 2 de Novembro. A palavra finado é um adjetivo que qualifica algo ou alguém que finou, que chegou ao fim, que está morto. Por esse motivo, o Dia de Finados também é conhecido como Dia dos Mortos. Nesse dia as pessoas vão aos cemitérios levar flores, acender velas e rezar pelos entes queridos que já morreram. No Brasil, o dia de Finados é feriado nacional. As tradições variam muito de acordo com o país. No México, por exemplo, as celebrações duram 3 dias, as ruas são enfeitadas e são organizados vários desfiles. O Dia de Finados é comemorado por ordem da Igreja Católica desde o século XI, que no século XIII determinou que esse dia deveria ser celebrado no dia 2 de Novembro. Diferentes religiões ou denominações da mesma religião abordam este dia de forma diferente, não sendo um dia celebrado pelas pessoas de todas as religiões. É muito importante para a Igreja Católica, que afirma que no dia de Finados os vivos devem interceder pelas almas que estão no purgatório, esperando a purificação para entrarem no Céu.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.