Geral | Operação Fantôme

PF deflagra operações contra crimes previdenciários em cidades do MA

Operação foi deflagrada em cinco cidades do Maranhão, além capital piauense; as investigações ocorriam desde o ano de 2012
OESTADOMA.COM / com informações da PF05/09/2017 às 10h01
PF deflagra operações contra crimes previdenciários em cidades do MAMaterial apreendido durante operação. (Divulgação)

SÃO LUÍS – Foi deflagrada na manhã desta terça-feira (5), nas cidades maranhenses de Codó, Timbiras, Coroatá, Presidente Dutra, São Luís e em Teresina, no Piauí a Operação Fantôme, deflagrada pela Força-Tarefa Previdenciária, integrada pela Polícia Federal (PF), pela Secretaria de Previdência e pelo Ministério Público Federal (MPF), com a finalidade de reprimir crimes previdenciários.

LEIA TAMBÉM:

Em 8 meses, o Maranhão foi alvo de 12 operações da PF

PF deflagra 2ª fase da Operação Glasnost e faz prisões no MA

Segundo as PF, as investigações, iniciadas no ano de 2012, levaram à identificação de um esquema criminoso no qual eram falsificados documentos públicos para fins de concessão de benefícios de Amparo Social ao Idoso a pessoas fictícias, além do recebimento indevido de benefícios previdenciários após o falecimento do titular.

A organização criminosa contava com um funcionário de uma instituição bancária em Timbiras (MA) e outro da agência dos Correios em Codó (MA), responsáveis pela abertura de contas correntes, realização da prova de vida e renovação de senha bancária. Fazia parte, ainda, um servidor do INSS, atualmente aposentado, além de intermediários e agenciadores.

A PF cumpriu 14 mandados judiciais, sendo dois de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão, além do sequestro de bens imóveis e de veículos em poder dos principais investigados. Dentre os mandados judiciais consta, ainda, a determinação para que o INSS suspenda o pagamento de 109 benefícios, submetendo-os a procedimento de auditoria. A Operação contou com a participação de 50 policiais federais e de dois servidores da área de Inteligência Previdenciária, a Assessoria de Pesquisa Estratégica e Gerenciamento de Riscos (APEGR).

O prejuízo, inicialmente identificado, aproxima-se de R$ 10,2 milhões. O prejuízo anual, a ser evitado com a suspensão dos benefícios, gira em torno de R$ 1,2 milhão. Os investigados presos serão indiciados pelos crimes de estelionato previdenciário, organização criminosa e lavagem de capitais.

O nome Fantôme, na tradução da língua francesa, significa fantasma, em alusão ao esquema criminoso cujo modus operandi seria a utilização de pessoas fictícias, criadas apenas para que o verdadeiro autor não aparecesse nas operações fraudulentas.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte