Geral | "Uma conquista da humanidade"

“Direitos Humanos não é uma conspiração contra as pessoas de bem”, defende Marcelo Canellas

O jornalista, que veio a São Luís para o lançamento do Prêmio OAB/MA de Jornalismo em Direitos Humanos, deu uma entrevista na Mirante AM falando sobre o tema
Liliane Cutrim/Oestadoma.com07/08/2017 às 11h13
“Direitos Humanos não é uma conspiração contra as pessoas de bem”, defende Marcelo Canellas Marcelo Canellas é repórter do Jornal Nacional, Fantástico e Bom Dia Brasil. (Biné Morais/O Estado)

SÃO LUÍS - O jornalista da Rede Globo Marcelo Canellas está em São Luís para o lançamento do I Prêmio OAB Maranhão de Jornalismo em Direitos Humanos. Durante o evento, que ocorre nesta segunda-feira (7), às 19h, no auditório da OAB-MA, Canellas vai participar de um bate-papo com profissionais da advocacia, do jornalismo e acadêmicos sobre Jornalismo e Cidadania.

Marcelo Canellas é repórter do Jornal Nacional, Fantástico e Bom Dia Brasil. O jornalista tem se destacado, ao longo de sua carreira, por produzir reportagens voltadas às questões sociais e aos direitos humanos, sempre buscando mostrar a situação das camadas mais carentes da sociedade brasileira, por meio de um jornalismo humanitário.

Antes de participar do bate-papo na OAB, Marcelo Canellas deu uma entrevista ao jornalista Roberto Fernandes, no Programa Ponto Final da rádio Mirante AM. Durante a entrevista, Canellas falou sobre o papel do jornalista como promovedor da igualdade social.

“É justamente nos momentos de crise da democracia, de crise das relações humanas, das radicalizações das posições, é que o jornalismo com a sua grandeza e capacidade de provocar reflexão na sociedade ganha uma importância ainda maior. Eu vejo essa inciativa da OAB de lançar esse prêmio de Direitos Humanos, para jornalistas e estudantes de jornalismo, como mais uma oportunidade de discutir e refletir sobre o momento que a gente está vivendo”, declarou Marcelo.

O jornalista ressaltou, ainda, a importância de entender os Direitos Humanos como elemento fundamental para a humanidade.

“Direitos Humanos não é uma coisa, não é uma entidade metafísica, não é uma conspiração contra as pessoas de bem. Direitos Humanos é uma conquista da humanidade, é uma vitória da civilização sobre a barbárie e que deve ser reafirmada, inclusive pelos jornalistas. Nosso papel nesse momento é tentar elucidar um pouco, esclarecer esse conceito que é o direito que as pessoas têm de viver bem”.

Veja uma das reportagens de Marcelo Canellas falando sobre um tema ligado aos Direitos Humanos: a fome.

Marcelo Canellas falou, também, sobre a necessidade de o jornalismo desmistificar o senso comum de que os Direitos Humanos servem apena para proteger bandido.

“É preciso deslocar o achatamento dessa discussão e tornar essa discussão mais clara, mais ampla, e esclarecer pontos obscuros de uma discussão que, intencionalmente, é jogada no preconceito e nessa maneira de redução da realidade objetiva. Aí entra o papel do jornalista, nada melhor do que a reportagem, com toda a sua grandeza e com toda a sua capacidade como forma de conhecimento da realidade objetiva para levantar a discussão: será que os Direitos Humanos são só para proteger o bandido? Ou será que é um conceito que liberta todas pessoas, fazendo com que elas tenham os mesmos direitos? Estamos falando não apenas da questão da violência, mas também sobre os direitos que as pessoas têm de ter uma vida digna, de ter uma casa digna, um emprego, um salário, de ser feliz. Isso tudo está ligado ao conceito de Direitos Humanos”, defende.

Ouça a entrevista completa do jornalista Marcelo Canellas na rádio Mirante AM.

Sobre o Prêmio

O I Prêmio OAB Maranhão de Jornalismo em Direitos Humanos, promovido pela Comissão de Direitos Humanos da Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil e pelo Núcleo de Comunicação da Ordem, visa reconhecer e valorizar o trabalho da imprensa maranhense que produz matérias voltadas aos Direitos Humanos, incentivando a construção de mais conteúdos voltados a essa área.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do site da OAB: http://www.oabma.org.br/. Podem ser inscritos os trabalhos jornalísticos em cinco categorias: webjornalismo, fotojornalismo, impresso, telejornalismo e radiojornalismo. O prêmio contempla tanto profissionais quanto estagiários que atuam em veículos de comunicação.

Poderão concorrer matérias, reportagens e programas veiculados de 16 de outubro de 2016 a 31 de outubro de 2017. A premiação será realizada no dia 7 de dezembro, data próxima à celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Para os organizadores da premiação, é importante que a imprensa maranhense produza matérias e reportagens voltadas para as questões sociais, já que o Estado é tão carente, sendo palco de denúncias, conflitos e desrespeitos aos direitos fundamentais. E é papel do jornalista dar visibilidade a esses graves problemas, causando um impacto por meio da informação, gerando transformação.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte