Cidades | Diversão comprometida

Férias começam com praias poluídas em São Luís

Laudo da Sema mostra que todas as praias estão impróprias para o banho. Com poluição, opções de lazer diminuem
Leandro Santos / O Estado02/07/2017 às 00h00

SÃO LUÍS - Julho é o mês das férias escolares, mas os jovens de São Luís não vão poder desfrutar do tempo livre nas praias da região metropolitana. De acordo com o último laudo que atesta as condições de balneabilidade da praia, todos os trechos monitorados estão impróprios para o banho.

O último laudo foi divulgado na quarta-feira, dia 28, e refere-se ao período de monitoramento realizado entre os dias 28 de maio e 25 de junho. De acordo com as análises, todos os 21 trechos monitorados na região metropolitana estão impróprios para o banho.

A situação compromete o lazer principalmente dos jovens que estarão de férias nesse período. Com as praias poluídas, diminuem as opções de lazer na capital maranhense, que já é carente de opções de diversão.

Laudos
De acordo com o último laudo, todos os trechos localizados entre as praias da Ponta d’Areia; São Marcos; Calhau; Olho d’Água; do Meio; e Araçagi estão impróprios para o banho por causa do alto índice de poluição presente na água.

As amostras de água são colhidas regularmente em situação de maré baixa e na isóbata de 1m. O monitoramento obedece aos padrões fixados na Resolução do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONAMA) nº 274/00, segundo a qual, as águas das praias serão consideradas próprias, quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras, obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, e colhidas no mesmo local, houver no máximo 100 Enterococos/100 mL (NMP - Número Mais Provável). As águas das praias serão consideradas impróprias, quando não atenderem aos critérios anteriores, ou quando o valor obtido na última amostragem for superior a 400 Enterococos/100 mL (NMP).

A Sema passou a divulgar os laudos com as condições de balneabilidade das praias após Ação Civil Pública (ACP) proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) do Maranhão obrigando a secretaria a divulgar as condições de balneabilidade das praias de São Luís, Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar, incluindo a fixação de placas em trechos impróprios para banho.

Em 2012, as praias da Região Metropolitana de São Luís passaram quase 200 dias interditadas pela Sema após a divulgação de um laudo, no dia 25 de março daquele ano, segundo o qual toda a orla estava imprópria para banho. A liberação ocorreu dia 11 de outubro, após a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) executar obras de melhoria do sistema de esgotamento sanitário de São Luís.

SAIBA MAIS

Condições de balneabilidade das praias de São Luís

Praia da Ponta d’Areia (ao lado do Forte Santo Antonio) – impróprio
Praia da Ponta d’Areia (atrás do Hotel Praia Mar) – impróprio
Praia da Ponta d’Areia (atrás do Bar do Dodô)- impróprio
Praia da Ponta d’Areia (em frente à Praça de Apoio ao Banhista) – impróprio
Praia da Ponta d’Areia (em frente ao Edifício Herbene Regadas) – impróprio
Praia da Ponta d’Areia (em frente ao Hotel Brisa Mar)– impróprio
Praia de São Marcos (em frente aos Bares Do Chef e Marlene’s) – impróprio
Praia de São Marcos (em frente à Barraca da Marcela) – impróprio
Praia de São Marcos (em frente ao Agrupamento Batalhão do Mar) – impróprio
Praia de São Marcos (em frente ao IPEM e ao Bar Kalamazoo) – impróprio
Praia de São Marcos (Foz do Rio Calhau) – impróprio
Praia do Calhau (à direita da elevatória II da CAEMA) – impróprio
Praia do Calhau (em frente a Pousada Tambaú) – impróprio
Praia do Calhau (em frente ao Bar Malibu) – impróprio
Praia do Olho d’Água (à direita da Elevatória Pimenta I) – impróprio
Praia do Olho d’Água (à direita da Elevatória Iemanjá II) – impróprio
Praia do Meio (em frente ao Bar do Capiau) – impróprio
Praia do Meio (em frente ao Bar da Praia) – impróprio
Praia do Araçagi (em frente ao Fatima’s Bar) – impróprio
Praia do Araçagi (em frente ao Bar Novo Point) – impróprio
Praia do Araçagi (em frente ao Bar do Isaac) - impróprio

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte