Política | Comunistas

PCdoB afasta dirigente acusado de estupro

Clemilton Colaço, que era vice-presidente do partido, foi preso pela Polícia Civil acusado de abusar de duas menores
Carla Lima Subeditora de Política20/04/2017 às 13h12
PCdoB afasta dirigente acusado de estuproNota do PCdoB fala da gravidade do caso envolvendo um membro do partido (Divulgação)

A direção municipal do PCdoB de Timon decidiu afastar temporariamente o vice-presidente da legenda, Clemilton Colaço. Ele foi preso com a acusação de ter abusado de duas menores, que são sobrinhas da tua companheira do comunista.

Em uma segunda nota emitida pelo PCdoB de Timon desde a prisão de Colaço, o presidente da sigla, João Rodolfo, afirma que os fatos são graves e, por isso, há a necessidade de afastar o vice-presidente de suas funções.

"Dada a gravidade da situação, a Comissão Política do PCdoB afastou o dirigente de suas funções até que todos os fatos sejam definitivamente esclarecidos", trecho da nota.

Além desse caso envolvendo um membro do PCdoB, nas últimas semanas outros dois comunistas também tiveram problemas.

A primeira foi a vereadora Aureamélia Brito Soares de Caxias. Ela, que é esposa de secretário do governo estadual, Adelmo Soares, foi cassada pelo juiz de base acusada de abuso de poder político e econômico porque usou um carro alugado pelo Governo do Estado em sua campanha, em 2016.

O outro membro do partido do governador Flávio Dino com problemas de conduta é o deputado Levi Pontes. Ele foi flagrado negociando a distribuição de pescado comprado com dinheiro público para suas bases eleitorais.

Nos dois últimos casos, a direção estadual do PCdoB - comandada pelo secretário de comunicação do governo estadual, Márcio Jerry - ainda não se manifestou.

Na semana passada, a o núcleo do PCdoB iria se reunir para ouvir a versão de Levi Pontes sobre o caso do Pescado de Chapadinha. No entanto, o parlamentar disse que não poderia comparecer e a direção nada mais fez.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte