Alternativo | Morte de Ferreira Gullar

Poeta deixou dois filhos, 8 netos e legado literário

Ferreira Gullar ajudou a criar, ao lado de outros escritores, o movimento literário que trouxe o pós-modernismo para o Maranhão
OESTADOMA.COM04/12/2016 às 17h19
Poeta deixou dois filhos, 8 netos e legado literário O poeta maranhense Ferreira Gullar, com o neto Mateus Aragão. (Fernando Frazão/ Agência Brasil)

SÃO LUÍS – Ferreira Gullar, que morreu neste domingo (4), no Rio de Janeiro, de pneumonia, aos 86 anos, terá seu corpo trasladado para prédio da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, às 17 horas. Nesta segunda-feira (5), seguirá para a Academia Brasileira de Letras, local do velório, de onde sairá às 15h, para o mausoléu da ABL, no Cemitério São João Batista, no bairro de Botafogo. O poeta maranhense deixa dois filhos, oito netos, e a companheira Cláudia.

O Presidente da ABL, Domício Proença Filho, determinou que fosse cumprido luto de três dias e que a bandeira da Academia seja hasteada a meio mastro. Marcou a Sessão de Saudade para a próxima quinta-feira (8), quando serão prestadas homenagens a Ferreira Gullar. Encerrada a cerimônia, estarão abertas, pelo período de um mês, as candidaturas daqueles que desejarem sucedê-lo.

Ferreira Gullar, que Sétimo ocupante da cadeira nº 37, eleito em 9 de outubro de 2014, na sucessão de Ivan Junqueira, deixa os filhos, Luciana e Paulo, e oito netos, e a companheira Cláudia, com quem vivia atualmente. Seu último livro foi Autobiografia poética e outros textos, lançado este ano pela Editora Autêntica.

Geração de poetas do Maranhão

Ferreira Gullar nasceu em São Luís, em 10 de setembro de 1930. Seu nome de batismo é José Ribamar Ferreira. É um dos onze filhos do casal Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart. Ao lado de Bandeira Tribuzi, Luci Teixeira, Lago Burnet, José Bento, José Sarney, ajudou a criar o movimento literário que ficou conhecido pelas publicações da revista a Ilha como o pós-modernismo no Maranhão.

Ferreira Gullar foi militante do Partido Comunista Brasileiro e, exilado pela ditadura militar, viveu na União Soviética, na Argentina e Chile. Em 2002, foi indicado ao Prêmio Nobel de Literatura. Em 2007, seu livro Resmungos ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano. Em 2005, foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

Já em 2010, ganhou o título de Doutor Honoris causa, na Faculdade de Letras da UFRJ e, em Imperatriz, o teatro da cidade ganhou seu nome, assim como uma avenida em São Luís.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte