Polícia | Caso Mariana Costa

Caso Mariana Costa: novas testemunhas serão ouvidas hoje

Entre as testemunhas, estão familiares e vizinhos da vítima; polícia também aguarda o resultado dos laudos periciais feitos pelo Icrim
16/11/2016
Caso Mariana Costa: novas testemunhas serão ouvidas hojeLucas Porto teve prisão preventiva decretada e está em Pedrinhas (Divulgação)

A polícia deve ouvir hoje novas testemunhas sobre o assassinato de Mariana Menezes de Araújo Costa, de 33 anos, que foi encontrada morta no fim da tarde de domingo no seu apartamento, no bairro Turu, em São Luís. O principal suspeito de cometer o crime, Lucas Leite Ribeiro Porto, de 37 anos, teve a prisão preventiva decretada e está recolhido ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas, à disposição da Justiça.

O delegado Lúcio Rogério Reis, do Departamento de Homicídios da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), está à frente do caso. Ele não informou quantas pessoas serão ouvidas, mas disse que entre elas estão familiares e vizinhos.

A polícia também está aguardando o resultado do exame do material genético colhido das unhas da vítima, assim como da saliva do acusado e também a análise da perícia feita por técnicos do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim).

“Até sexta-feira já deve ter mais alguma coisa”, disse o delegado Lúcio Rogério Reis. As imagens do circuito interno de segurança do prédio, que mostram a vítima e acusado, também serão analisadas mais detalhadamente pela polícia. Ontem, O Estado tentou entrar em contato com a defesa de Lucas Porto, mas ninguém foi localizado para tratar sobre o caso.

Assassinato
O assassinato de Mariana Costa ganhou ampla repercussão, inclusive nacionalmente. Diversos telejornais, impressos e sites retrataram o caso, fazendo com que o fato fosse também um dos mais comentados nas redes sociais.

De acordo com as investigações da polícia, a publicitária Mariana Costa foi encontrada no fim da tarde de domingo, dia 13, sobre sua cama, no quarto do apartamento onde morava, com o travesseiro no rosto. Ela foi socorrida e levada para um hospital, onde ficou constatado o óbito. Segundo a polícia, ela foi morta por asfixia, ocasionada por esganadura.

Em seguida, a polícia localizou e prendeu Lucas Porto, principal suspeito de ter cometido o assassinato. Ele foi encaminhado para a SHPP e depois levado para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde está à disposição da Justiça.

LEIA TAMBÉM:

Delegado diz que provas apontam cunhado como principal suspeito de assassinato
Após flagrante, Lucas Porto está em prisão preventiva
Cunhado é preso suspeito de matar sobrinha-neta de Sarney


Antes de ser conduzido para Pedrinhas, Porto participou, ainda na tarde de segunda-feira, dia 14, de uma audiência de custódia realizada no Fórum Desembargador Sarney Costa, presidida pela juíza da Central de Inquéritos Andréa Cisne. Na ocasião, a prisão em flagrante do suspeito foi convertida em prisão preventiva, uma vez que a magistrada acolheu o flagrante, convencida de que as provas até entãoapresentadas convergem para a autoria do crime.

Dinâmica
Durante entrevista realizada na segunda-feira foi explicada a dinâmica do crime. As imagens do circuito de vídeo mostram que, por volta das 14h36 do domingo, o acusado deixou a vítima e os seus filhos no condomínio onde ela morava, mas retornou às 15h11.

Lucas Porto chegou a subir pelo elevador sozinho até o apartamento da vítima, no 9º andar, onde teria ficado por um intervalo de 40 minutos. Em seguida, o acusado, apresentando nervosismo, saiu correndo do local do crime e ainda desceu pela escada. No térreo, chegou a fazer uma ligação que durou cinco minutos.

Em seguida, o suspeito se deslocou até a sauna do prédio onde mora, no bairro da Ponta d’Areia, onde tomou banho e trocou de roupas. Apesar de ele ainda não ter confessado, todas as provas obtidas até o momento pela polícia indicam que Porto foi o autor do assassinato de Mariana Costa.

SAIBA MAIS

Lucas Porto, que chegou a ir ao hospital para onde Mariana Costa foi levada após ter sido encontrada no seu apartamento, já tinha outras passagens pela polícia pelos crimes de estelionato e porte ilegal de arma de fogo. Ele é casado com a irmã da vítima.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte