Alternativo | Teatro

Palco Giratório em cartaz na Ilha

Quarta etapa do projeto começa hoje em São Luís e prossegue até o dia 3 de novembro com programação gratuita em diversos pontos da cidade
25/10/2016
Palco Giratório em cartaz na IlhaPeça “Adaptação” será encenada dia 27, no Teatro João do Vale, às 19h (Divulgação)

Sinal verde para a quarta etapa de circulação do projeto “Palco Giratório”, do Sesc, cujas oficinas terão início hoje, das 18h às 21h, no Casarão Angelus Novus (Praia Grande). A programação é inteiramente gratuita e prossegue até dia 3 de novembro em diversos espaços da cidade.

A primeira oficina será “Interpretação Autoral”, com a Companhia Teatro de Açúcar, do Distrito Federal, e acontecerá até amanhã. Além desta, “Gesto e Narração: experiência e criação ficcional para o trabalho do ator” será ministrada terça e quarta-feira, também no Casarão Angelus Novus, por integrantes da companhia Teatro Máquina, do Ceará. As inscrições para as oficinas ainda podem ser feitas via cultura.sescdeodoro@gmail.com.

O primeiro espetáculo a ser apresentado será “Adaptação”, no Teatro João do Vale, às 19h, com a Cia. Teatro de Açúcar (DF), na quinta-feira.

A oficina de “Interpretação Autoral” será ministrada por Gabriel F. (prêmios Sesc de Teatro 2013 de Melhor Ator e Melhor Dramaturgo) e Marco Michelângelo, que compartilharão as técnicas de criação dos textos dramáticos da Cia. Teatro de Açúcar, uma dramaturgia sempre aliada ao trabalho de interpretação do ator. A oficina se fundamenta na criação dramatúrgica de personagens com improvisações, discussões e análises, e na utilização do ator como matéria-prima do processo de dramaturgia. É destinada a adultos e/ou jovens a partir de 16 anos, profissionais e amadores.

A oficina “Gesto e Narração: experiência e criação ficcional para o trabalho do ator”, por sua vez, objetiva experimentar e coletivizar práticas desenvolvidas durante o processo criativo atual do grupo, com o Material Fatzer, de Bertolt Brecht. Tais práticas reveem e elaboram procedimentos narrativos e gestuais com base na produção de relatos pessoais, na decomposição e interrupção da fábula como material e trama e na promoção de uma montagem ficcional.

Essa oficina vai oferecer novas formas de explorar a narração em seu caráter expandido e o gesto em sua construção, definição e decupagem. Serão trabalhados jogos e proposições com o texto em um plano operativo constituído por exercícios focados na troca de papeis, na fala dirigida para o interlocutor e na experimentação da presença do narrador como sujeito épico. É voltada para atores, artistas e estudantes de teatro.

Discussão

O Teatro de Açúcar apresentará, no “Pensamento Giratório”, na quinta-feira, 27, às 10h30, no Teatro de Bolso Nerine Lobão, no Centro de Ciências Humanas da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), uma discussão sobre a identidade sexual e as questões de gênero no teatro, com a participação do professor Jurandir Eduardo.

O objetivo é discutir sobre o tratamento dramatúrgico de personagens estigmatizadas por sua condição sexual, assim como sobre a importância, a necessidade e a capacidade do trabalho social do teatro. Além disso, discutirá a responsabilidade dos artistas como formadores de opinião e a utilização dessa desmistificação como ferramenta eficaz de educação social contra a intolerância e a homofobia.

O professor Jurandir Eduardo é docente do Departamento de Artes da Universidade Federal do Maranhão, no Curso de Licenciatura em Teatro. Mestre em teorias e práticas do teatro pelo programa de Pós - Graduação em Teatro da Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC), tendo como objeto de pesquisa o Grupo DziCroquettes. Ele é doutorando em Teatro no mesmo programa, na linha de pesquisa “Linguagem cênica, corpo e subjetividades”, com pesquisa na área de figurino teatral com interface em gênero e estudos Queer.

Criada em 2007, a Companhia Teatro de Açúcar é um núcleo de pesquisa e produção de espetáculos com dramaturgia original e intenso trabalho interpretativo. “Além do que se vê”, espetáculo de estreia da Cia, recebeu quatro indicações ao Prêmio SESC do Teatro Candango (2008) e venceu nas categorias “Melhor Atriz” (Eli Moura) e “Melhor Cenografia” (Gabriel F. e Marco Michelângelo).

O espetáculo marca o início da “Trilogia sobre o Tédio e o Tempo”, que se completa com “Tenho febre, mas vou buscar nosso dinheiro” (2009) e “A Vida Impressa em Xerox” (2012). No currículo da Cia. constam ainda os espetáculos “Máquina de Gargalhadas” (2009); “Movie About the City” (2010), que estreou no Festival Internacional de Teatro Cena Contemporânea, em Brasília; “Adaptação” (2013), uma co-produção entre Brasil e Espanha; “A Volta dos que não Foram” (2014); e “Surf a Seco” (2015).

As montagens do Teatro de Açúcar se caracterizam pelo intenso trabalho de direção de atores e dramaturgia original, aliadas à excepcional beleza estética, e sempre concentradas em temas que investigam e discutem a complexidade humana de uma maneira leve, musical e bem humorada, mas sem abandonar o peso de cada discurso.

Serviço

O quê

Palco Giratório

Quando

De hoje a 3 de novembro

Onde

Casarão Angelus Novus (Praia Grande), UFMA (Avenida dos Portugueses), Teatro João do Vale (Praia Grande), Praça Deodoro, Guest House (Praia Grande), Avenida Litorânea e Sesc Caxias

Programação gratuita

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte