Cidades | Perigo

Ponto final de ônibus é alterado após ataques

Por causa da mudança, rodoviários que atuam na linha reclamam da falta de condições de trabalho
Leandro Santos / O Estado14/10/2016
Ponto final de ônibus é alterado após ataquesNovo ponto final não tem nenhum tipo de conforto para trabalhadores (Biné Morais / O ESTADO)

Após o ataque a um ônibus que faz linha para o bairro Forquilha, em São Luís, o ponto final do coletivo foi transferido. No entanto, a situação causou a indignação de rodoviários que atuam nessa linha, que reclamam de falta de condições de trabalho.

O episódio relacionado ao ônibus da linha Forquilha aconteceu no dia 27 de setembro, dando início a mais recente onda de ataques a coletivos que se estendeu por alguns dias. Na ocasião, criminosos atearam fogo ao veículo que estava no ponto final, deixando-o destruído pelas chamas, mas ninguém se feriu.

Mudança
Passados alguns dias do ataque, o ponto final do coletivo, que ficava localizado na Avenida Sete, na Cohab/Anil, foi transferido para a Avenida 4, com receio de novos ataques. Contudo, os rodoviários que atuam na linha de ônibus reclamam da falta de condições para trabalho.

O ponto final atende a duas linhas de ônibus: Forquilha/Ipase e Forquilha/Shopping São Luís. O antigo final ficava em um local com pouca movimentação, principalmente no período da noite, o que favoreceu o ataque dos criminosos no dia 27. O novo está situado em uma área mais movimentada, em frente a uma escola da rede estadual de ensino, po­rém sem conforto para motoristas, cobradores e fiscais.

Quando chegam ao ponto final, o descanso dos motoristas e cobradores é sob a sombra de uma árvore. Para usar o banheiro, eles têm de pe­dir permissão na escola ou em estabelecimentos comerciais.
“Queremos saber até quando va­mos ficar dessa forma, porque até agora não nos comunicaram nada”, disse uma das cobradoras, que preferiu não ter o nome divulgado.

No antigo ponto final, apesar de não dispor de conforto, eles tinham um espaço para fazerem suas necessidades básicas, se alimentar e descansar.

Além desse problema, os rodoviários têm de conviver com a falta de segurança no exercício de suas profissões, temendo a qualquer momento serem vítimas de novos ataques de criminosos. “Quando entra uma pessoa estranha no ônibus ficamos logo com receio”, disse outra cobradora que também preferiu não se identificar.

O Estado entrou em contato com Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) e a Prefeitura, mas até o fechamento desta página nenhuma resposta foi obtida.

SAIBA MAIS

Em maio deste ano, após uma onda de ataques à ônibus, um coletivo que faz linha para a cidade de Raposa (região metropolitana) também foi incendiado no ponto final. Dias depois esse mesmo ponto final foi transferido para próximo do batalhão de polícia da área.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte