Cidades | Índice

São Luís é a 6ª pior capital brasileira em ranking que avalia o bem-estar nas cidades

Condições de infraestrutura, mobilidade e habitação foram avaliadas por Observatório das Metrópoles
O Estadoma.com27/09/2016 às 09h33
São Luís é a 6ª pior capital brasileira em ranking que avalia o bem-estar nas cidades

A capital maranhense ocupa a 22ª colocação, entre as capitais do país, no ranking que avalia condições de bem-estar dos municípios brasileiros. O Índice de Bem-Estar Urbano dos Municípios Brasileiros (IBEU-Municipal), realizado pelo Observatório das Metrópoles, avaliou as condições urbanas, com informações do Censo Demográfico de 2010, de 5.565 cidades, com base em análise de áreas como mobilidade, condições ambientais urbanas, condições habitacionais, atendimentos de serviços coletivos e infraestrutura.

Entre 27 capitais, São Luís ficou em 22º lugar, à frente apenas de Rio Branco, Manaus, Belém, Porto Velho e Macapá, que ocupa a última colocação. De acordo com o índice, Vitória é a melhor capital para se viver, seguida de Goiânia e Curitiba. São Paulo ficou em 12º lugar.

De acordo com os dados analisados, um dos principais problemas urbanos dos municípios brasileiros ainda é a infraestrutura (pavimentação, calçamento, iluminação pública, etc), que, de acordo com os dados, é considerado ruim ou muito ruim em 91,5% dos municípios. Em São Luís, esta também é uma das principais reclamações dos moradores da cidade e, por isso mesmo, um dos grandes desafios para o prefeito que será eleito no próximo domingo (2).

Além de São Luís, a outras capitais que apresentam condições ruins de infraestrutura são: Aracaju, Campo Grande, Palmas, Recife, Salvador, Fortaleza, Teresina, Manaus, Natal, Cuiabá, João Pessoa, Maceió e Belém. A única capital que apresenta boas condições de infraestrutura é Vitória. Outras que apresentam condições médias são: Goiânia (2º), Rio de Janeiro (3º), São Paulo (4º), Curitiba (5º), Belo Horizonte (6º), Brasília (7º), Porto Alegre (8º) e Florianópolis (9º).

Outro motivo de reclamação dos ludovicenses também é um desafio para boa parte dos municípios brasileiros: os serviços coletivos urbanos, como abastecimento de água, rede de esgoto e coleta adequada de lixo, considerados ruins ou muito ruins em mais de 50% das cidades do país.

A Prefeitura de São Luís se pronunciou sobre o caso. Segue, na íntegra, a nota enviada:

Sobre mobilidade e infraestrutura:

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) informa que vem realizando diversas ações para melhorar a mobilidade urbana na capital, como a substituição de cerca de 40% da frota do Sistema de Transporte Público com 371 novos veículos nos últimos anos. Outros 210 ônibus, todos com ar condicionado, já estão sendo incorporados ao sistema até o fim do ano, fruto da licitação. A SMTT reforça que já realizou já 10 intervenções geométricas em ruas e avenidas, com a finalidade de dar mais fluidez ao tráfego.

Ainda no que tange à infraestrutura urbana, a Secretaria de Obras e Serviços Públicos (Semosp) informa que tem realizado serviços de urbanização e recuperação da camada asfáltica em cerca de 1800 ruas em mais de 90 bairros, contribuindo assim para melhorar a trafegabilidade e a mobilidade nessas vias. Além disso foram implantados 175 km de meio fio, 316 km de sarjeta. 22 km de drenagem profunda por toda cidade. Sobre a iluminação pública, a Prefeitura requalificou 40 mil pontos de iluminação; Ampliou com mais 10 mil novos pontos o parque de iluminação urbano; Implantou 4.500 pontos de Led nas principais avenidas da capital.

Sobre arborização:

O Instituto Municipal da Paisagem Urbana (Impur) informa que está executando o programa "São Luís Cidade Jardim", que tem como objetivo, realizar o paisagismo de espaços públicos da capital. Estruturado em oito eixos (Jardim da Minha Empresa, Jardim da Minha Escola, Portais da Minha Cidade, Jardim da Minha Casa, Jardim da Minha Rua, Jardim da Minha Praia, Minha Calçada e Minha Árvore), o programa tem como meta, ao fim da gestão, totalizar 20 rotatórias e 40 praças adotadas, arborização de canteiros centrais em avenidas e o plantio de 1 milhão de árvores.

O Impur informa ainda que vem trabalhando para ampliar a arborização dos espaços públicos de São Luís, sendo esse trabalho planejado com o intuito de promover a substituição de árvores mortas ou que causem risco de acidentes à população, além de espécies inadequadas para ambientes urbanos, por variedades de plantas nativas ou adaptadas. Para isso, o Instituto esclarece que faz várias parcerias com outras instituições para compor o plano municipal de arborização urbana, nas quais estão sendo discutidas técnicas de plantio e escolha de espécies adequadas para a implantação nesses ambientes, garantindo a segurança e a estabilidade das novas árvores que farão parte do ambiente paisagístico da cidade.

Habitação:

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação de São Luís (Semurh) informa que, nos últimos três anos e meio, cerca de 11 mil unidades habitacionais foram entregues na cidade e outras sete mil estão em construção. A Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação comunica ainda que, desde o início da atual gestão, foi implantado o programa de Regularização Fundiária, “Minha Casa Legal” que visa regularizar áreas de ocupação espontânea, do município, conferindo segurança jurídica aos beneficiários, que passarão a ser titulares legítimos de seus imóveis. Desde então, mais de 5 mil famílias já foram contempladas com o recebimento do título das suas propriedades.

Coleta de Lixo:

O Comitê de Limpeza Urbana informa que a Prefeitura de São Luís foi uma das primeiras cidades a se adequar ao Plano Nacional de Resíduos Sólidos, ao anunciar o fechamento do Aterro da Ribeira, local onde eram destinados os resíduos orgânicos coletados na capital. A partir de agora, todos esses resíduos estão sendo descartados de maneira ambientalmente responsável na Central de Tratamento de Resíduos (CTR) em Rosário.

O Comitê informa ainda que vem ampliando as ações de coleta de resíduos em São Luís, e que atende atualmente todos os bairros da capital com os serviços de coleta de resíduos domiciliares. O Comitê ressalta ainda que está desenvolvendo diversas medidas para evitar o descarte irregular e o acúmulo de resíduos na capital maranhense, a exemplo da campanha “Mais Limpeza, Mais Saúde”, o serviço de coleta de bagulho volumoso "Bota Fora" e a instalação dos Ecopontos, já estando três em funcionamento, sendo localizado na Avenida dos Africanos, outro no Turu e o terceiro no Bequimão.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte