Vida | Mulher

TPM atinge 80% das mulheres brasileiras, diz pesquisa

Especialistas orientam sobre como amenizar os incômodos sintomas de forma saudável; prática de exercício físico é uma das recomendações
15/07/2016 às 11h36

SÃO LUÍS - Todos os meses, cerca de 80% das mulheres brasileiras sofrem com dores, desconforto, distúrbios hormonais e dezenas de outros sintomas relacionados à Tensão Pré Menstrual (TPM), de acordo com pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Embora a disfunção seja motivo de chacota e descrédito, especialistas afirmam que existem mais de 150 sinais que podem acometer a mulher no meio do ciclo menstrual, desaparecendo somente com a chegada da menstruação.

Segundo o ginecologista do Hapvida, Dr. Jorge Vaz, o quadro e o tempo da TPM variam de mulher para mulher, mas normalmente dura entre 10 a 14 dias e os principais sintomas são classificados em grupos pela comunidade médica. São eles:

Tipo A - ansiedade, nervosismo, mudanças bruscas de humor e irritabilidade;

Tipo H - retenção hídrica - que causa dores nos seios -, inchaço no corpo e dores de cabeça;

Tipo C - cefaléia e compulsão alimentar - principalmente por doces e sinais de cansaço;

Tipo D – depressão e descontrole emocional: as mulheres normalmente choram sem motivo aparente.

Para aliviar o quadro, os médicos costumam prescrever antiinflamatórios e tratamentos hormonais. “A escolha do tratamento também varia conforme a queixa da paciente. Mas, além do tratamento medicamentoso, os sintomas da TPM podem ser amenizados com a prática regular de atividade física, melhorando a circulação sanguínea”, afirma o ginecologista.

Exercícios

Uma opção para contornar a indisposição, inchaço e até depressão que incomodam a mulher durante esse período é a prática de exercício físico. “Em alguns casos, as dores somem totalmente, em outros elas já sentem uma boa melhora por meio do exercício”, afirma a educadora física Aline Cassaro. Ela ressalta que, embora a proposta inicial seja apenas amenizar os sintomas, a regularidade pode fazer com que eles sejam totalmente apagados.

Praticante de atividade física há anos, a advogada Emanuele Castro, 36 anos, confirma o que diz a educadora física. “Tenho muita TPM e percebo que quando venho para academia neste período o meu humor melhora, fico menos estressada, menos ansiosa, tenho menos cólica, além de sentir um grande alívio nas dores da região pélvica”, enumera Emanuele.

Especialistas acreditam que existe uma correlação entra a atividade física e a redução nos sintomas da TPM. Essa relação, segundo eles, está relacionada com o sistema endócrino e as endorfinas.

Confira abaixo os exemplos dados por Aline Cassaro para explicar como, na prática, os exercícios físicos interferem no organismo das mulheres:

Endorfina: o exercício (principalmente a musculação) aumenta a circulação deste neurotransmissor responsável pela sensação de relaxamento e bem estar, que acaba por reduzir o stress, o desconforto e as dores.

Adrelina: (principalmente aulas de alongamento, pilates, yoga), estes exercícios ajudam a normalizar os níveis de adrenalina que tendem a aumentar e é responsável pela ansiedade.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte