Cidades | BR-135

Obra de tapa-buraco na BR-135 fica parada no fim de semana

Embora seja urgente, no domingo, não havia nenhum operário na obra de recuperação da rodovia federal, única ligação rodoviária da Ilha de São luís com o continente
25/04/2016
Obra de tapa-buraco na BR-135 fica parada no fim de semanaBR-135 continua com buracos, mesmo assim obra de recuperação da via para no fim de semana (Flora Dolores)

As obras emergenciais de tapa-buracos na BR-135 foram retomadas, mas ficam paradas no fim de semana, embora sejam urgentes. Ontem, O Estado esteve na rodovia federal e nenhum operário foi encontrado. Os buracos continuam tornando o tráfego perigoso.

Amanhã, faz um mês que a bailarina e professora de História da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Ana Lúcia Duarte Silva, de 51 anos, foi morta com vários tiros durante um assalto na BR-135, quando voltava com uma amiga para São Luís.

A morte da bailarina chamou atenção para a situação precária da rodoviária federal que é a única ligação rodoviária da ilha com o continente. No entanto, pouca coisa mudou na via desde o latrocínio e a buraqueira continua sendo um problema que preocupa quem precisa trafegar pela BR.

No dia 30 de março, o Departamento de Infraestrutura de Transportes (DNIT) no Maranhão iniciou obras de recuperação da BR­-135. Os trabalhos foram retomados após reclamações de motoristas e devido à pressão da sociedade e de políticos após a morte da bailarina. Inicialmente, de acordo com o órgão, os trabalhos - cuja responsabilidade é da empresa Ethos Engenharia de Infraestrutura -­ se concentrarão em pontos mais críticos da rodovia, como os quilômetros 13, 15 e 8, no sentido interior-­capital.

Ainda segundo o DNIT, por meio do contrato nº 114/2016, celebrado entre o órgão e a empresa contratada e cujo extrato foi publicado na edição do Diário Oficial da União (DOU) do dia 28 de março deste ano, serão aplicados R$19.814.159,00 na recuperação da pavimentação asfáltica da BR-­135, entre os quilômetros zero e 69 (na altura do município de Santa Rita). De acordo com o extrato, os serviços deverão ser entregues até junho de 2018.

No entanto, apesar de serem emergenciais, as obras são paradas nos fins de semana. No sábado, 23, e ontem, foram dias de sol forte na capital, o que poderia ter sido aproveitado para acelerar os trabalhos e reduzir a buraqueira na rodovia federal, dando mais celeridade e segurança ao tráfego.

Buracos

Enquanto isso, no trecho próximo à entrada da cidade os buracos continuam deixando o tráfego perigoso, um deles fica em cima da ponte. Até foram feitos serviços emergências de tapa-buracos nas últimas semanas. “Não foi suficiente porque ainda tem muitos buracos. A gente precisa dirigir com muito cuidado para não cair nos buracos e causar um acidente e ainda temos que ficar atento se não tem alguém na pista, um assaltante, para não acontecer conosco o que aconteceu com a bailarina”, disse Adriano Chaves, que voltava para São Luís depois do feriadão de Tiradentes. l

O Campo de Perizes é um dos mais arriscados. Lá, os buracos obrigam os condutores a fazerem manobras entre as duas pistas, o que é um risco para o trânsito na área. A falta de acostamento em um trecho da pista de quem trafega no sentido interior do estado é motivo de reclamação. “Se tivesse o acostamento, a gente poderia desviar do buraco por ele, mas somos obrigados a avançar para outra pista”, disse Pedro Muniz.

Na ponte Marcelino Machado, sobre o Estreito dos Mosquitos, que liga São Luís ao continente, mais buracos. É até possível a estrutura de metal da ponte, já que a cobertura asfáltica está comprometida. Só que diferente dos buracos do Campo de Perizes, os motoristas não conseguem visualizar os buracos sobre a ponte a tempo de desviarem. Aí a única solução é reduzir a velocidade ao subir na estrutura para evitar acidentes e minimizar os efeitos do impacto da queda.

Duplicação

Em setembro de 2012 a BR-135 começou a passar por obras de duplicação. Os trabalhos sofreram diversas modificações no seu cronograma e ainda não foram concluídas. Esta semana, o ­Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) anunciou que foram retomadas, na segunda-­feira,18, as obras de duplicação da rodovia. Devido ao período chuvoso, o início dos trabalhos está concentrado na construção do viaduto de acesso à cidade de Rosário, no entroncamento da BR­-135 com a BR-­402, no município de Bacabeira (KM 51).

O projeto de melhoria da BR-­135 contempla a duplicação da rodovia, a realocação da ferrovia Transnordestina na região do Campo de Perizes e a construção do viaduto de Bacabeira. Segundo o DNIT, cerca de 80% dos serviços estão concluídos. Desse total, 60% foram serviços de fundação de aterro. A conclusão das obras de duplicação do primeiro trecho é previsto para início de 2017. No entanto, ontem, nenhum operário estava trabalhando no local.

A duplicação da BR­-135 faz parte do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. O investimento do DNIT para esse trecho, com aditivos e reajustamentos, é de R$ 484.735.728,44. A obra proporcionará a melhoria do tráfego, o aumento da segurança dos usuários da rodovia e a redução do tempo de percurso em cerca de uma hora, trazendo benefícios econômicos para o Maranhão.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte