Cidades | Combate

Carros da Funasa, sem uso, viram criadouros de mosquitos em SL

Imóveis fechados e equipamentos abandonados são locais perfeitos para a proliferação do Aedes aegypti; capital maranhense vem intensificando as ações de combate
16/03/2016

SÃO LUÍS - Em tempos em que o Governo Federal convoca toda a sociedade para o combate ao Aedes aegypti, órgãos federais em São Luís caminham no sentido contrário. No estacionamento da Superintendência Estadual da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), na capital, no bairro Jordoa, dezenas de caminhonetes, fora de uso, estão acumulando água da chuva, ambiente favorável à criação de mosquitos.

A Fundação Nacional de Saúde, órgão executivo do Ministério da Saúde, é uma das instituições do Governo Federal responsáveis por promover a inclusão social por meio de ações de saneamento para prevenção e controle de doen­ças. É também a instituição responsável por formular e implementar ações de promoção e proteção à saúde.

As ações de inclusão social, por meio da saúde, são realizadas com a prevenção e controle de doenças e agravos ocasionados pela falta ou inadequação nas condições de saneamento básico em áreas de interesse especial, como assentamentos, remanescentes de quilombos e reservas extrativistas.

LEIA TAMBÉM:
Mais de 42 mil focos do Aedes aegypti já foram identificados em São Luís
Ação contra o Aedes é realizada no Centro Histórico
Ministro diz que não se pode dar trégua ao Aedes aegypti
Jardim de infância abandonado pode servir de criadouro de mosquito
Cruz Vermelha Internacional ajudará no combate ao Aedes na Ilha

Mas de certa - e até mes­mo irônica - forma, as dependências da superintendência do órgão no Maranhão podem estar colaborando para a proliferação de mosquitos Aedes aegypti. No estacionamento do prédio, há dezenas de veículos oficiais acumulando água de chuva nas carrocerias, que estão descobertas.

Em condições ambientais favoráveis como essas, após a eclosão do ovo o desenvolvimento do mosquito até a forma adulta pode levar um período de apenas 10 dias. Por isso a necessidade urgente de intervenções no local.

Imóveis
Além desse caso, há ainda o desafio dos imóveis abandonados na cidade. No bairro Monte Castelo, os moradores reclamam que o antigo Cine Monte Castelo tem grandes chances de ser um ponto de proliferação do mosquito que transmite a dengue, zika e chikungunya. O prédio está abandonado há anos e serve hoje de abri­go para moradores de rua.

No mesmo bairro, há ainda outros imóveis que preocupam os moradores da região. Em um deles, localizado na Rua Manoel Beckman, há uma cisterna sem tampa. Preocupados com as consequências disso, os próprios moradores retiraram a água que estava acumulada no reservatório.

Apesar dos cuidados que têm, eles dizem temer o mosquito em locais aos quais não têm acesso, como o antigo cinema. “A gente não pode limpar a nossa casa e o vizinho não limpar a dele. Não adianta nada. As pessoas precisam se conscientizar desse risco”, disse Marcos Daniel Mendes Barbosa.

O Estado solicitou informações da Funasa, mas não obteve retor­no até o fechamento da edição impressa.

SAIBA MAIS

Ciclo de vida do Aedes
O ciclo do Aedes aegypti é composto por quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. As larvas se desenvolvem em água parada, limpa ou suja. Na fase do acasalamento, em que as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos ovos, ocorre a transmissão das doenças.

Galeria de fotos

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte